NOVIDADES

COMPORTAMENTO

sexo

Vídeos

Arquivo Em Neon

sábado, 29 de março de 2014

Cool Pop Cult/Televisão: Looking... Falta diversidade na série que mostra três amigos gays

Em Neon: sábado, 29 de março de 2014


Pôster de divulgação da Série Looking 

“Queríamos fazer uma série sobre três gays vivendo suas vidas. Uma hora vamos falar sobre preconceito, mas a ideia era mostrar seus sentimentos e sua relação íntima com a sexualidade”.
Andrew Haigh –  um dos criadores da série

As lembranças de “Queer as Folk” e as onipresentes comparações com “Girls” são inevitáveis ao se assistir o novo seriado gay da HBO, mas as “coincidências” param por aí. A narrativa é outra, mais lenta e não espere as ousadias de QAF. Podemos viver uma nova realidade, mas ainda temos muito pelo que lutar.

Looking é um seriado mais enxuto (clean demais), nele o cotidiano de três amigos: o designer de vídeo game Patrick (Jonathan Groff – O Jesse de Glee), o artista Agustín (Frankie J. Alvarez) e Dom (Murray Barlett)  é retratado de forma bem realista para gays que já conquistaram seu lugar numa sociedade, que não os olha com tanto preconceito, ao menos a sociedade na qual eles vivem, em São Francisco, Califórnia, a cidade mais gay-friendly do mundo!

O trio de gays vive uma primeira temporada morna, mas a segunda promete emoções
Não precisam mais lutar pela aceitação, trabalham (embora não sejam totalmente bem sucedidos em suas carreiras) e não precisam mais se esconder em guetos. Lidam com paqueras, reinícios, crises da idade e desafios profissionais.

O sexo é presente e não tão ousado quanto em “Queer as Folk”, mas um dos trunfos do seriado, que teve apenas oito episódios de 30 minutos em sua primeira temporada (já renovada para segunda), é  a naturalidade (?) com que mostra a vida de seus protagonistas, mais humanos e próximos de nós mesmos, através de uma bela fotografia e da excelente atuação do elenco, cuja escolha foi acertadíssima.

O seriado não levanta bandeiras, oferece entretenimento leve e despretensioso, mostra um gay “pasteurizado” e pronto para ser entendido, amado e aceito por todos, não chocaria nem o mais preconceituoso dos amigos. E isso é o que me incomoda. É tudo muito bonitinho, feliz e doce, heteronormatizado demais.  Se mudássemos a orientação sexual dos protagonistas, seria mais um seriado comum de jovens adultos vivendo sua rotina numa grande cidade.

Falta a diversidade, todos são muito parecidos, claro que em tão pouco tempo não poderiam mostrar mais de um mundo tão restrito quanto o de três amigos. Ainda assim recomendo, afinal a guinada no último episódio da primeira temporada mostrou para onde o seriado vai e vai bem! Vejo um futuro promissor! Aguardemos.

Assista a primeira temporada completa on line AQUI.

Confira abaixo o trailer da série:



Por: Raí Costa Filho

Raí Costa Filho é analista de TI, DJ nos finais de semana e feriados (há quase 20 anos), produtor da festa Bizarre Love Triangle (há 12 anos em Brasília) e DJ na festa Cerrado Bears. Cinéfilo desde sempre, apaixonado por fotografia, design e arte.

 
Todos os direitos reservados para © 2014 Em Neon
Desenvolvido por Code Art Design by Maurício Code