NOVIDADES

COMPORTAMENTO

sexo

Vídeos

Arquivo Em Neon

Entretenimento

Mundo LGBTI

.

Divertidíssima

GALERIAS

quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Jô Santana recebe em live no YouTube, políticos e personalidades do cenário cultural para um bate papo sobre 'Mulher Negra na Política, Agora!'

Em Neon: quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Foto: Divulgação

Em continuação a serie de lives, o ator e produtor Jô Santana realiza hoje, 24 de setembro, às 20h, no canal do “YouTube/fatoproducoesartisticas e na plataforma: www.culturaemcasa.com.br”, sua quinta live, onde conversa no primeiro bloco com a candidata a prefeitura do estado do RJ Benedita da Silva e a deputada estadual por MG Andréa de Jesus, e no segundo bloco a fundadora do museu do samba Nilcemar Nogueira, a educadora Gigi Poetisa, a deputada estadual pela Bahia Olivia Santana e a gestora e pensadora de politicas publicas de cultura Aline Torres, para um papo sobre “Mulher Negra na Política, Agora” e com a participação especial da cantora Sandra Portela.

Jô Santana lança no primeiro trimestre de 2021 CURSO LIVRE GRATUITO “CURSO DE TEATRO MUSICAL NEGRO” Capacidade para 160 pessoas, a partir dos 18 anos, com duração de 03 anos e com as seguintes matérias: Experimental História da Arte; História do Teatro; Fonoaudiologia; Gestão Cultural; Interpretação; Dança; Canto; Língua portuguesa; Direção Cênica; Plano de Carreira; Antropologia; Dramaturgia; Cenografia; Figurino; Inglês; Francês; Pesquisa; Produção; Iluminação e Ensaio Geral.

No decorrer do processo, como subprodutos do mesmo, estão previstos ainda, sempre de forma gratuita: *Ciclo de Palestras/ Seminários, serão realizados encontros, abertos aos participantes e ao público em geral interessado. As temáticas terão como enfoque o engajamento do negro na sociedade, buscando promover e disseminar práticas que minimizem os conflitos gerados a partir do racismo, discriminação e estereotipia, identificar atitudes de reconhecimento e respeito às populações negra e afrodescendentes, proporcionar a reflexão crítica dos problemas oriundos de conflitos inter-raciais em ambientes de trabalho, instituições de ensino e em espaços públicos, estimular no público a relevância e o reconhecimento da cultura negra, identificar e compartilhar ações que promovam o respeito, a autoestima e a valorização dos aspectos culturais, comportamental e emocional do povo negro que possam ser executadas pelo poder público. Para tanto, serão convidados palestrantes que tenham notório reconhecimento nos temas propostos. 

*OFICINAS - Serão disponibilizadas Oficinas que venham abordar conteúdos de forma mais sucinta servindo como introdução e/ou reciclagem profissional, para 20 alunos por curso. O critério de seleção se dará da mesma maneira do curso principal, através de processo seletivo das aptidões, aberto ao público de maneira gratuita.

Serviço

Série de Lives do Jô

Dia 24 de Setembro (quinta feira)

Horário: 20H

Canal do YouTube/fatoproducoesartisticas e na plataforma: www.culturaemcasa.com.br

Agenda das próximas lives

OUTUBRO 2020

Dia 08 - 6ª LIVE – “ Literatura – Carolina de Jesus”

Tema: Carolina, uma revolução na Literatura

Convidado: Zezé Motta – Atriz e Cantora

Convidado: Vera Eunice de Jesus – Professora e filha de Carolina de Jesus

Convidado: Andrea Ribeiro - Atriz que interpreta Carolina de Jesus no Teatro


 Dia 22 – 7ª LIVE – “Educação”

Tema: Negros na educação do Brasil, uma luta constante

Convidado: Andréa Cavalheiro – Cantora e Atriz

Convidado: Katiúscia Ribeiro – Professora, Mestra e Doutoranda em Filosofia na UFRJ

Convidado: Naiara Paula – Professora, Mestra e Doutoranda em Filosofia Africana, Arte e Estética na UFRJ


Dia 29 – 8ª LIVE – “Economia”

Tema: Economia, O negro e o mercado de trabalho”

Convidado: Grazzi Brasil - Cantora e atriz

Convidado: Valdirene de Assis – Advogada e Procuradora do Ministério do Trabalho/MQR e Coordenadora Nacional da Cordaigualdade do MPT

Convidado: Adriana Barbosa – Gestora Cultural e de Eventos e criadora da Feira Preta


NOVEMBRO 2020

Dia 12 – 9ª LIVE – “Diversidade Sexual”

Tema: O negro e a diversidade sexual

Convidado: Valeria Barcellos - Cantora e ativista

Convidado: Ava Simões – Dentista e Miss Trans Star

Convidado: Erika Hilton – Ativista e Co- Deputada Estadual em São Paulo 


Dia 26 - 10ª LIVE – “Redes Sociais e Racismo”

Tema: O Movimento Negro e as redes sociais

Convidado: Isabel Filardis– Atriz e Digital Influencer

Convidado: Erico Bras – Ator e apresentador

Convidado: Marco Fera – Ator e Digital Influencer


DEZEMBRO 2020 

Dia 10 – 11ª LIVE – “Infância”

Tema: As bases da estrutura, o Racismo na Infância

Convidado: Sérgio Malheiros- Ator

Convidado: JP Rufino – Ator Mirim

Convidado: Bruno Gagliasso – Ator (a confirmar)

Rádio Paparazzi e o Programa Pointmix realizam Live Solidária em prol à campanhas em São Paulo


Entendendo o papel importante que os meios de comunicação tem, não somente de levar informação mais de ser prestadora de serviços, é que surgiu a ídeia da Live Solidária, que será realizada pela Rádio Paparazzi e o programa Pointmix no próximo dia 26 de setembro em São Paulo, comandado pela Apresentadora Mabel Zeballos.

O local escolhido foi o deck Mixto Bar Gastronomia do Hotel Capcana, localizado na Alameda Santos na região do Jardins.

O objetivo é apoiar e colaborar ações solidárias entre elas: a “campanha do agasalho” da ONG Locomotiva da Alegria, a “Ação Voluntária e Solidária “coordenada pelo carnavalesco Hernane Siqueira e a campanha ‘Doe a Quem Doar” idealizada pela influenciadora digital Ana Paula Anzelotti .

O Dj Marcos Seya é o Dj oficial da live e promete agitar a programação e ainda conta com a participação do Dj Benkx e o Dj Rodrigo Forshaid.

Ao vivo pela Rádio Paparazzi www.paparazzi.com.br,e transmissão para as redes sociais @paparazzing e pelo Youtube https://www.youtube.com/channel/UCCrqCClp7kNiqiN7d_IqqKA/ feita pela produtora VALLEY.

A live conta com a parceria do Hotel Capcana @hotelcapcana ,Mixto Bar Gastronomia @mixtogastrobar, Guirá Filmes @guirafilmes,Produtora Valley @estudio_valley,Love Fashion @lovefashion_sp,Love Hair @lovehairsp,Delícias da Fofuxa @deliciasdafofuxa,Studio Débora Deiros @studiodeboradeiros,House Party SP @housepartysp

Assista  o teaser aqui


Serviço Completo 

Data :26 de Setembro

Horário: Das 17:30 as 19:30

Onde: Rádio Paparazzi www.paparazzi.com.br

TV Interativa Soul TV - Canal Soul do Bem disponível para Smart tvs da LG www.soultv.com.br

Redes Sociais: @paparazzing

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCCrqCClp7kNiqiN7d_IqqKA/

quarta-feira, 23 de setembro de 2020

TikTok se desculpa por remover o conteúdo LGBTI: 'Realmente entendemos errado'

Em Neon: quarta-feira, 23 de setembro de 2020

Foto: Reprodução da Internet

A TikTok agora diz que só reduzirá o conteúdo gay se for solicitado pelas agências locais de aplicação da lei.

O aplicativo de mídia social de compartilhamento de vídeo TikTok se desculpou por suprimir o conteúdo LGBTI.

Segundo o site Gay Star News, o aplicativo de enorme sucesso tem cerca de 800 milhões de usuários em todo o mundo. Chegou às manchetes nas últimas semanas porque o presidente Donald Trump ameaçou bani-lo nos EUA por temer a segurança de dados. A TikTok é propriedade da empresa chinesa ByteDance.

No entanto, antes disso, houve uma crítica de que o aplicativo suprimiu conteúdo LGBTI. Os críticos dizem que o aplicativo toma medidas para evitar que esse conteúdo - até mesmo imagens de homens de mãos dadas - se torne viral em alguns países.

Hashtags sujeitas a shadowbans
No início deste mês, a TikTok admitiu que restringia hashtags relacionadas a LGBTI em alguns países. O Australian Strategic Policy Institute (ASPI) conduziu um estudo em hashtags TikTok. Ele encontrou hashtags relacionadas a LGBTI 'shadowbans' em países como Jordânia, Rússia e Bósnia. Por exemplo, se você pesquisar a palavra transgênero em árabe, nenhum resultado será obtido.

Quando o estudo foi divulgado, TikTok disse que algumas hashtags foram sinalizadas como muitas vezes levando a conteúdo pornográfico. Ele também disse que algumas hashtags foram restritas para cumprir as leis locais.

O diretor de políticas públicas da TikTok na Europa, Oriente Médio e África, Theo Bertram, foi questionado por um comitê parlamentar britânico. Ele foi mais longe, dizendo: 'Sinto muito, realmente entendemos errado', relata a Fundação Thomson Reuters.

Bertram disse que restringir a disseminação de conteúdo gay e trans, junto com vídeos de usuários plus size e deficientes físicos, foi feito com boas intenções: para prevenir o bullying online.

"Foi uma ideia terrível", ele admitiu. Daqui para frente, ele disse que a TikTok só agirá para evitar a propagação de conteúdo queer se solicitada por agências de segurança específicas. Ele destacou a lei de propaganda anti-gay na Rússia como um exemplo em que a TikTok pode ser forçada a agir. No entanto, ele esclareceu que a considerava uma lei 'terrível'.

'Acho que a lei russa é terrível e nossa comunidade também... Mas, infelizmente, temos que cumprir as solicitações legais nos países em que operamos.'

No fim de semana passado, o presidente Trump ameaçou introduzir uma proibição dos EUA ao TikTok em 48 horas. No entanto, a ação ameaçada parecia ter sido evitada 11 horas após o Presidente aprovar uma venda do aplicativo para a Oracle e ao Wal-Mart, com sede nos EUA.

Miss Abby OMG é a 1ª brasileira a participar da franquia 'RuPaul's Drag Race'


O Reallity Show "RuPaul' Drag Race" ganhou o mundo inteiro e levou a cultura drag para os quatro cantos. Além dos Estados Unidos, a franquia chegou ao Reino Unido, ao Canadá e à Tailândia. Agora se aventura na Holando e nessa versão traz a primeira drag queen brasileira a participar da competição.

A brasileira em questão é Miss Abby OMG, nome artístico de Henrique dos Santos, 25 anos, que foi criado no Brasil e mora na Europa, na cidade de Breda, na Holanda, onde há quatro anos atua na comunidade drag local. 


O estilista Fred Van Leer é o apresentador da versão holandesa do reality, que estreou no dia 18/09. 

Abby não é a única drag da América do Sul, tem também a peruana Envy Peru. Elas disputarão o programa com outras oito competidoras: Roem, ChelseaBoy, Janey Jacké, Ma’MaQueen, Madame Madness, Sederginne, Patty Pam-Pam e Megan Schoonbrood.

Megan Schoonbrood

Patty Pam-Pam


Sederginne

Envy Peru

Madame Madness

Ma’MaQueen

Janey Jacké

ChelseaBoy

Roem
Miss Abby OMG



quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Festival Internacional de Curtas traz 212 filmes de 46 países, alguns produzidos na quarentena

Em Neon: quinta-feira, 20 de agosto de 2020

A 31ª edição do Festival Internacional de Curtas Metragens – Curta Kinoforum abre nessa quarta, 20, e vai até 30 de agosto em edição totalmente virtual e gratuita. Neste ano o evento apresenta um total de 212 filmes de 46 países, promovendo uma verdadeira "Volta ao Mundo", incluindo  curtas produzidos durante a quarentena (Covid-19). 

Na programação do Festival, um dos maiores e mais tradicionais eventos dedicados ao formato no mundo, tem filmes selecionados e premiados nos festivais de Cannes, Veneza, Roterdã, Sundance,  Locarno, entre outros. Já os títulos nacionais trazem representantes de 12 estados brasileiros (SP, RJ, MG, ES, PE, BA, AM, CE, RN, AL, RS,  SC) e do Distrito Federal.

Criado e dirigido por Zita Carvalhosa e organizado pela Associação Cultural Kinoforum, a programação do festival é dividida na Mostra Limite, com curtas realizados em todos os cantos do mundo sob prismas únicos, Mostra Internacional, Mostra Latino-Americana, Programas Brasileiros, Mostra Infantojuvenil, Programas Especiais e Atividades Paralelas. No elenco dos filmes nacionais e internacionais estão atores e atrizes de renome como Matt Dilon (ator indicado ao Oscar), Elisa Lucinda e Bruna Linzmeyer (em "Alfazema", de Sabrina Fidalgo), Flávio Bauraqui (em "Lugar Comum", de Gabriel Amaral),  Gilda Nomacce, entre outros. 

O evento ainda promove o "A Cidade é Uma Tela" – que projetará durante todos os dias do festival, às 19h, na fachada de um prédio do bairro paulistano e, os curtas do programa Experimenta. Já o programa "Novas Áfricas", que tem curadoria de Claire Diao, considerada como uma das mais importantes especialistas na cinematografia contemporânea da África e da diáspora africana, traz 13 obras, realizadas de 2017 a 2019 em países como Senegal, Marrocos, Congo, Quênia e Líbia.

Novidade: Os filmes, as lives e demais atividades virtuais do Festival de Curtas são acessíveis através do endereço kinoforum.org.br ou pelos aplicativos InnSaei.tv para celulares, tablets e smart TVs disponíveis nas lojas do Google Play ou Apple Store (para televisores, utilizar Airplay e Chromecast).  Isto é poderão ser assistidas em qualquer parte do Brasil e em qualquer formato.

No dia 20/08, quinta-feira, às 20h00, acontece a cerimônia de abertura, de forma virtual, com exibição de títulos de destaque do festival.

Para Zita Carvalhosa, "o grande desafio desta edição do festival foi colocado quando foram estabelecidas as medidas de confinamento social, no mês de março, e a inviabilidade de eventos presenciais. Foi quando tivemos que decidir se iríamos manter suas datas tradicionais em agosto e como seria se não pudesse ser presencial. Decidimos continuar o processo de seleção e no início de maio já não tínhamos mais dúvidas e partimos firme para desenhar a edição online, buscando uma navegação amigável e prazerosa para exibir mais de duas centenas de curtas-metragens". Segundo a diretora do festival, "o esforço maior foi buscar, no ambiente virtual, o próprio ambiente do evento, com seus fundamentais encontros entre o público cinéfilo e os cineastas e profissionais de várias latitudes e longitudes. Para tal, buscamos uma parceria que aceitasse essa premissa de construir uma plataforma especialmente desenhada para um festival com programação dinâmica e com a possibilidade de apresentar sessões de filmes e garantir as trocas entre as pessoas". O resultado, na sua opinião, "está se mostrando bastante positivo". Carvalhosa acredita que "a exibição nessas novas telas veio para somar, mesmo quando a crise sanitária tiver passado".

A programação do festival é organizada em Mostra Limite, Mostra Internacional, Mostra Latino-Americana, Programas Brasileiros, Mostra Infantojuvenil, Programas Especiais e Atividades Paralelas.

Mostra Limite

Unsound (Sem Som) (EUA) - Vivian Ostrovsky

Seção dedicada à experimentação e reinvenção, a Mostra Limite se propõe a criar pontes estéticas e semânticas entre curtas-metragens realizados em todos os cantos do mundo, apostando na inovação da linguagem audiovisual sob prismas únicos e originais. Este ano, a mostra é organizada sob três temas: "Brutalismo", abordando choques entre humanismo e brutalidade, "O Império da Palavra", com experiências sensoriais em que impera a palavra impera, e "Onde Está Todo Mundo?", no qual as pessoas vão desaparecendo, fundindo-se ao cenário. É o caso de "Serial Paralallels" (de Max Hattler, Hong Kong/Alemanha), premiado no Festival de Annecy (considerado como a "Cannes" da animação), que retrata o ambiente urbano de Hong Kong visto da perspectiva conceitual do celuloide. O cubano "A Travessia", de Otávio Almeida, foi selecionado para o IDFA-Amsterdã, o mais importante festival internacional de documentários e segue a jornada solitária de um homem no ambiente natural inóspito da Sierra Maestra, a mais alta cordilheira cubana e berço da Revolução Cubana há mais de 50 anos. Filmado em Trípoli, no Líbano, o documentário "Formas Concretas de Resistência" (Reino Unido) é dirigido pelo conceituado cineasta experimental Nick Jordan e focaliza a abandonada Feira Internacional Permanente da cidade de Trípoli (Líbano), projetada por Oscar Niemeyer, incluindo um dos últimos depoimentos do arquiteto brasileiro. Já "Unsound (Sem Som)" (EUA), da brasileira Vivian Ostrovsky, foi vencedor de prêmio especial no Festival Signes de Nuit (Paris) ao colocar o desafio de fazer o espectador ver o som. Coprodução entre a França e Marrocos, "O Portão de Ceuta", de Randa Maroufi, mostra uma série de reconstituições de situações observadas em Ceuta, enclave espanhol em solo marroquino e foi o grande vencedor do Festival de Tampere (Finlândia), considerado um dos mais importantes eventos internacionais dedicados ao curta-metragem.

Mostra Internacional

"E Daí, Se o Rebanho Morrer?" (França/Marrocos) - Sofia Alaoui

Na Mostra Internacional destaca-se "A Queda" (de Jonathan Glazer, Reino Unido/EUA), no qual o diretor Jonathan Glazer (o mesmo de "Sob a Pele", com Scartlett Johansson) se inspirou em gravura de Francisco Goya e convida o espectador a projetar suas preocupações e interpretações. Eleito com o melhor curta internacional no prestigioso Festival de Sundance, "E Daí, Se o Rebanho Morrer?" (França/Marrocos), de Sofia Alaoui, tem como protagonista um jovem pastor que vive nas montanhas e é forçado a enfrentar a neve para conseguir comida e se depara com um fenômeno sobrenatural. O ator indicado ao Oscar Matt Dilon vive o protagonista do alemão "Nimic", um violoncelista que tem um encontro no metrô que tem desdobramentos inesperados nesta obra selecionada para o Festival de Locarno do mesmo diretor de "A Lagosta", Yorgos Lanthimos. Vencedor do Prêmio Orizzonti no Festival de Veneza, "Querida" (Paquistão/EUA), de Saim Sadiq, reúne uma cabra sacrificial desaparece, uma sonhadora garota trans compete pelos holofotes e um jovem ingênuo se apaixona. Rara produção do Casaquistão, aqui em uma coprodução com a Suíça, "Paola Faz Um Pedido", de Zhannat Alshanova, aborda uma trabalhadora que começa a sentir que está perdendo o lado mais excitante de sua vida, foi realizado em oficina ministrada pelo consagrado cineasta Bela Tarr e esteve na seleção dos festivais de Locarno e Sundance. Vencedor do Grand Prix de Clermont-Ferrand, o mais renomado evento internacional dedicado ao filme curto, "Boa Noite", de Anthony Nti (Bélgica), focaliza um estrangeiro em Gana recebe uma missão de sua gangue para encontrar crianças para um trabalho arriscado. "O Inferno e Tal" (Enrique Buleo, Espanha), que foi vencedor de menção especial do júri no Festival de Clermont-Ferrand e selecionado para o Festival de Cartagena de Índias, na Colômbia, mostra uma loja ilegal, onde encontram-se livros de autoajuda e calendários com fotos de mulheres nuas. Selecionada para a Semana da Crítica do Festival de Cannes, "O Amante de Manila" (Noruega/Filipinas), de Johanna Pyykkö, acompanha um norueguês de meia-idade que conheceu uma filipina com quem ele deseja compartilhar sua vida, mas hoje nada corre conforme o planejado.

Mostra Latino-Americana

Os Anéis da Serpente (Chile) - Edison Cájas

A Mostra Latino-Americana deste ano programou 15 títulos, representando a Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, México, Peru e Uruguai. Entre os destaques está "Febre Austral" (de Thomas Woodroffe, Chile), descrito como um conto visceral e original sobre o corpo e a intimidade, tendo integrado as seleções oficiais dos festivais de San Sebastián (onde recebeu menção especial do júri), Veneza, Toronto e Nova York. Coprodução entre a Colômbia e o México, "Sol de Planície" (de Manuela Irene Espitia) é protagonizado por três gerações de mulheres que experimentam diferentes estados emocionais e esteve nas seleções dos festivais de Clermont-Ferrand e Morelia. Já "Os Anéis da Serpente" (de Edison Cájas, Chile) se passa em 1991 e traz uma professora de medicina legal que tem seu nome revelado em uma lista de ex-agentes da ditadura daquele país. Mamapara (Mãe Chuva)", de Alberto Flores Vilca (Peru), é um filme intimista e poético sobre uma solitária mulher quíchua vivendo no altiplano peruano, tendo sido selecionado para os festivais de Clermont-Ferrand e Toulouse. 

Programas Brasileiros

O Colírio do Corman Me Deixou Doido Demais (Brasil) - Ivan Cardoso

A programação brasileira do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum conta com 40 filmes selecionados de todas as regiões do país, com vários títulos tendo obtido premiações em festivais nacionais e internacionais. Estão presentes produções de 12 estados brasileiros e do Distrito Federal. Divididas entre a Mostra Brasil e a Mostra Competitiva - esta, conta no júri com a atriz Camila Pitanga e com os cineastas Kleber Mendonça Filho e Susanna Lira-, as obras são assinadas por diretores veteranos e também por cineastas estreantes. Entre os realizadores com carreira reconhecida está Ivan Cardoso (de "O Segredo da Múmia"), que no curta selecionado para o Festival de Roterdã "O Colírio do Corman Me Deixou Doido Demais" realizou um filme feito à mão - riscando, desenhando, furando, interferindo, manchando, e até apagando imagens. Daniela Thomas (de "O Primeiro Dia") assina "Tuã Ingugu [Olhos d'Água]", sobre a importância da água na cosmogonia dos Kalapalo, etnia que vive no Parque Indígena do Xingu. Cláudia Priscilla (de "Bixa Travesty") dirige ao lado de Mariana Lacerda "Nosso Amor Vai Embora", um documentário sobre o cineasta Hilton Lacerda. Em "Viva Alfredinho!", Roberto Berliner (de "A Pessoa é Para o que Nasce") celebra o bar carioca Big Big, um verdadeiro patrimônio cultural. Selecionado para o Festival de Roterdã, "Vitória", de Ricardo Alves Jr. (de "Elon Não Acredita na Morte") tem como protagonista uma operária de uma fábrica de tecidos que aventa a possibilidade de agir coletivamente e transformar a ordem vigente. Entre os realizadores estreantes está Camila Kater, que teve seu "Carne", no qual mulheres compartilham suas experiências em relação ao corpo, premiado no Festival de Locarno e selecionado para o Festival de Toronto. Também estreantes são Rodrigo Ribeiro, com "A Morte Branca do Feiticeiro Negro", que transforma as memórias de um passado escravagista em paisagens etéreas e ruídos angustiantes, e o quarteto Nayara Mendl, Vita Pereira, Rosa Caldeira e Stheffany Fernanda, de "Perifericu", vencedor do prêmio do público no festival Mix Brasil, que trata das adversidades de ser LGBT no extremo sul da cidade de São Paulo. E nos elencos dos filmes brasileiros estão atores e atrizes de renome, como Elisa Lucinda e Bruna Linzmeyer (em "Alfazema", de Sabrina Fidalgo), Helena Ignez (em "Extratos", de Sinai Sganzerla, e em "Carne", de Camila Kater), Gilda Nomacce (em "Estamos Todos na Sarjeta, Mas Alguns de Nós Olham as Estrelas", de Sergio Silva e João Marcos de Almeida), Flávio Bauraqui (em "Lugar Comum", de Gabriel Amaral) e Luciana Souza (em "Inabitável", de Matheus Farias e Enock Carvalho), que é também cantora seis vezes indicada aos Emmy Awards. A programação brasileira também conta com uma seleção de cinema indígena: "O Verbo Se Fez Carne", de Ziel Karapotó, "Agahü: O Sal Do Xingu", de Takumã Kuikuro, e "Mãtãnãg, A Encantada", curta de animação realizado pela Comunidade Maxakali Aldeia Verde. Finalmente, fazem suas estreias no evento, entre outros títulos inéditos, "O Jardim Fantástico", de Fábio Baldo e Tico Dias, "A Maior Massa de Granito do Mundo, de Luís Felipe Labaki, e "Receita de Caranguejo", de Issis Valenzuela, protagonizado pela atriz e ativista Preta Ferreira. Completam os programas as sessões dedicadas a trabalhos oriundos de oficinas de realização audiovisual, compreendendo curtas-metragens ligados a atividades que promovem a inclusão social por meio do cinema e o acesso à discussão e à produção audiovisual. São, ao todo, 15 filmes de várias partes do país, divididos em três programas. O primeiro, Oficinas Brasil, é uma coletânea de títulos realizados em diversas localidades brasileiras, selecionados a partir das inscrições feitas por seus responsáveis. O segundo programa apresenta os resultados da oficina de cinema online do projeto É Nóis na Fita, intitulado É Nóis em Casa, com obras realizadas em meio ao isolamento social. Já o terceiro programa é dedicado às Oficinas Kinoforum, com quatro produções realizados durante a Oficina Módulo 1 - Sesc Guarulhos e três filmes feitos pelos alunos da Oficina Módulo 2 – Spcine.

Mostra Infantojuvenil

Superbot (França) - Emmanuel Pierrat, Pierre-André Fontaine e Rémy Leroy

Em 2020, a Mostra Infantojuvenil está dividida em quatro programas. O infantil "Natureza Fantástica" traz nove produções: "Preto e Branco" (de Jesús Pérez e Gerd Gockell, Suíça/Alemanha), "Superbot" (Emmanuel Pierrat, Pierre-André Fontaine e Rémy Leroy, França), "Cobertor" (Marina Moshkova, Rússia), "Cuidado com o Lobo" (Nicolas Bianco-Levrin e Julie Rembauville, França, selecionado para os festivais L'Hiver Sera Court, Kid First!, Cinemagic e Micro Festival), "Noite na Ópera" (Lanyibo Dong, Wenpai Song, Oriane Thibault, Audrey Von Hatten e Christine Zheng, França), "O Mundo de Dalia" (Javier Navarro Aviles, França), "Os Heróis Que Ficam em Casa" (Todor Nikolov, Bulgária) e os brasileiros "Tecendo o Amanhã" (Alice Andreoli Hirata) e "Trincheira" (Paulo Silver, vencedor dos prêmios de melhor roteiro e melhor direção de arte na Mostra Sururude Cinema Alagoano. O segundo programa infantil, intitulado "Volta ao Mundo em Cinco Filmes", reúne "Gelo na Água" (Mathieu Barbe, Damien Desvignes e Victor Hayé, França), "Corredores do Deserto" (Aleksandar Vuksanovic, Austrália), "Rekab" (Pierre B, Reino Unido/França), "Meu Avô Conhece o King Kong" (Miguel Sáez Plaza, Espanha), "Difícil é Não Brincar" (Papoula Bicalho, Brasil). Trechos destes curtas fazem parte das lives "Palhaços Apresentam Curtas para Crianças" e "Mímicos Apresentam Curtas Para Crianças", nos dias 22 23/08, respectivamente. Já as exibições público juvenil apresentam, no programa "Primeiros Amores", "Fermento" (Carlos Eduardo Ceccon, Brasil), "O Beijo" (Alexa Centurión, Peru), "Estações Instáveis" (Florian Goralsky, França, vencedor do Orix de l'Association Brochet d'Or no Festival de Cinema Jovem de Lyon) e "O Clube" (Emiliano Martinez, Argentina). "Onde é O Rolê" é o título do segundo programa juvenil e dele fazem parte as produções "Baleias Não Nadam" (Matthieu Ruyssen, França), "Kallima" (Ashkan Ahmadi, Irã) e as brasileiras "Portugal Pequeno" (Victor Quintanilha Moura Dias) e "Ocupa" (Juliana Pfeifer).

Programas Especiais

Prisioneiro e Carcereiro (Líbia) - Muhannad Lamin

Parte dos Programas Especiais, Novas Áfricas tem curadoria de Claire Diao, jornalista e crítica de cinema francesa com origens em Burkina Faso, considerada como uma das mais importantes especialistas na cinematografia contemporânea da África e da diáspora africana. No total, são 13 obras, realizadas de 2017 a 2019 em países como Senegal, Marrocos, Congo, Quênia e Líbia, entre outros, em uma grade organizada em três sessões - "Mulheres Africanas", "Rebeliões" e "Música e Cinema". Diao participa da masterclass "A Importância de Existir nas Telas", ao lado das curadoras Janaína Oliveira e Rayanne Layssa. 

Já o programa especial Mostra SEANIMA, uma parceria do festival com o Seanima – Seminário Brasileiro em Estudos da Animação, reúne doze títulos produzidos em 2019 nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo. É complementado pelo debate "Animação Como Cinema, Artes e Design: Interseções Entre Universos", que discute com especialistas, entre outros temas, a animação como agente social com potencial da linguagem audiovisual e a narrativa imagética. Da mesa participam  e Antonio Fialho, Carla Schneider, Claudia Bolshaw e João Paulo Schlittler.

Por sua vez, Experimenta é programa especial que apresenta autores que se destacam pela originalidade de sua obra, como é o caso de Ji Su Kang-Gatto, artista multimídia nascida na Coreia do Sul e radicada na Alemanha. Ela é responsável pela série de curta "Identidades e Receitas", da qual o festival exibe, em parceria com o Instituto Goethe de São Paulo, nove episódios, como "Como Preparar Janchi Guksu" e "Como Preparar Samgyetang". Uma entrevista com Ji Su Kang-Gatto, feita especialmente para o festival, é exibida ao final dos filmes. Além da exibição online, o títulos dos programa especial ganham projeção no período do evento em fachada de prédio localizado no bairro paulistano de Vila Buarque.

No programa especial Terror na Tela – A Grande Noite estão cinco títulos cuja temática privilegia acontecimentos noturnos: "Na Praça Escura" (Argentina), de Nicolás Schujman, selecionado para os festivais de Roterdã e Bafici, e "O Teste" (Alemanha), de Philipp Christopher, vencedor do prêmio de melhor curta nos festivais Mo.bile Filmfestival e Short To The Point, além dos brasileiros "Ligue Depois da Meia-Noite", de Sabrina Tenfiche, "Shunkan", de Ricardo Albuquerque e "Deserto Estrangeiro", de Davi Pretto (diretor do longa "Rifle"). 

Mercosul em Curtas traz nove filmes – representando Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai – que foram selecionados pela RECAM, órgão consultor do Mercosul para cinema e audiovisual, e fazem parte do catálogo da Rede de Salas Digitais do Mercosul. Destacam-se neste programa especial "Maracanazo" (Alejandro Zambianchi, Argentina), uma comédia romântica de narrativa futebolística intensa, passada em um bar perdido em Buenos Aires, "Na Boca de Todas" (Colectivo RAMA, Argentina), trabalho coletivo feminista realizado por 25 mulheres animadoras, usando diferentes técnicas e criando interações entre os conceitos "boca" e "comunicação", e "Antonieta" (Flávia Person, Brasil), documentário sobre Antonieta de Barros (1901-1952), mulher, negra, professora, cronista, feminista e que se tornou a primeira negra a assumir um mandato popular no país.

Com exibição online e também presencial em um cinema drive-in (no Drive-in Paradiso, em São Paulo), o programa especial Curta em Casa exibe os dez trabalhos mais votados do projeto homônimo, uma iniciativa do Instituto Criar, Spcine e Projeto Paradiso que disponibilizou bolsas para 200 curtas-metragistas moradores das periferias de São Paulo. O resultado são visões dos aspectos da pandemia de Covid-19 nas quebradas de São Paulo, sendo tudo produzido dentro de casa. Os dez mais bem avaliados em votação popular são "Aflora" (Jota - Joyce Carmo), "Dádiva" (Evelyn Santos), "Gatilho" (Glória Maria), "Hiato" (Gustavo Pera), "O Interior" (Alice Stamato e Márcio Masselli), "Aos Olhos de Uma Criança" (Marginalia), "Placa-Mãe" (Ignacio Barcelos), "A Procura Que Vai Chegar" (Lara Júlia, Abraão Kimberley e Ícaro Pio), "Quarentena na Laje" (Bruno Rodrigues e Danrley Soares Rosa), "Quase Me Fizeram Acreditar Que Eu Não Existia" (Rachel Daniel e Arthur Alfaia).

Finalmente, Criatividade em Tempo de Crise é programa especial com sete títulos clássicos brasileiros, realizados no período denominado Primavera do Curta (1986 – 1996). As obras têm direção assinada por cineastas que ganharam relevância em suas posteriores carreiras no longa-metragem. A retrospectiva reúne obras de Laís Bodanzky ("Cartão Vermelho"), Tata Amaral ("Viver a Vida"), Jorge Furtado ("Ilha das Flores"), Beto Brant ("Dov'è Meneghetti?"), Carla Camurati "A Mulher Fatal Encontra o Homem Ideal"), Anna Muylaert ("A Origem dos Bebês Segundo Kiki Cavalcanti") e Cao Hamburger e Eliana Fonseca ("Frankstein Punk").

Atividades Paralelas

Nas Atividades Paralelas está agendado o seminário internacional Conexão USP Kinoforum, com três mesas organizadas pelo Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, pela Associação Cultural Kinoforum e pelo Museu da Imagem e do Som de São Paulo, com curadoria de Almir Almas (USP), Esther Hamburger (USP SCEDI/CILECT) e Eduardo Santos Mendes (USP). Os temas dos encontros são "Cinema, Memória e Construção do Futuro", "Pedagogia Pós-Pandemia – Como as Universidades Podem Ajudar a Criar um Mundo Mais Justo e Igualitário" e "Arlindo Machado - Uma Celebração Poética", este último incluindo performance de diversos artistas.

Webinar "Curtas-Metragens na Sala de Aula" reúne educadores e programadores audiovisuais para professores da Rede Pública de Ensino sobre o uso do curta-metragem e da linguagem audiovisual como ferramenta educacional. Uma das Atividades Paralelas da programação, o seminário conta com a coordenadora de oficinas de animação Marta Russo, Moira Toledo, coordenadora de projetos de educação audiovisual, Ralph Friedericks, cineasta e coordenar de oficinas audiovisuais para crianças e adolescentes.

Uma das lives agendadas nas Atividades Paralelas do evento é "Do Curta ao Longa", na qual Dois realizadores premiados debatem os diferentes processos de criação, direção e produção entre curtas e longas-metragens. Participam a cineasta Caru Alves de Souza, que venceu o Festival do rio com o longa "De Menor" e este ano, com "Meu Nome é Bagdá", conquistou o prêmio de melhor filme pelo júri internacional da Mostra Generation 14plus do Festival de Berlim. Da live participa ainda o diretor João Paulo Miranda, cujo primeiro longa-metragem, "Casa de Antiguidades", fez parte da seleção oficial do Festival de Cannes 2020.

Já o debate "Caminhos do Audiovisual Latino-Americano" propõe uma reflexão sobre a cinematografia da América Latina, destacando as colaborações, experiências, tendências e possibilidades dos produtos audiovisuais da região. Uma das Atividades Paralelas do evento, dela participam a equatoriana Maria Capanã Ramia, programadora associada do festival IDFA-Amsterdã, a argentina María Marta Antin, diretora de comunicação da Universidad del Cine, de Buenos Aires, uruguaio Roberto Blatt, diretor do ICAU - Direção de Cinema e Audiovisual do Uruguai, e Marilha Naccari, diretora de programação do FAM – Florianópolis Mercosul Audiovisual.

As Atividades Paralelas têm na agenda dois lançamentos de livros. "A Forma Realizada: O Cinema de Animação" tem autoria de Dean Luis Reis e percorre a trajetória dos pioneiros da animação no século 20, apresenta novos realizadores e analisa expoentes japoneses, russos, latino-americanos e norte-americanos do gênero, além de discutir os novos recursos digitais aplicados ao cinema de animação. Já "Novas Fronteiras do Documentário: Entre a Factualidade e a Ficionalidade" é assinado por Piero Sbragia e pretende ser ferramenta para "fugir dos dogmas que limitam o processo criativo". O autor discute o documentário como obra que rompe a divisão rígida entre factual e ficcional e apresenta um panorama sobre o documentário produzido no século 21.

Na Noite de Kino é a Atividade Paralela na qual é apresentado o resultado da tradicional gincana audiovisual promovida pelo Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum. Com participação de grupos de 12 escolas, a atividade propõe que em um período limitado de tempo (três dias e 11 horas), os realizadores roteirizem, produzam e exibam curtas-metragens. Neste ano, o desafio incluiu o respeito às normas de saúde e isolamento social. 

Completam as Atividades Paralelas do festival a live do projeto "Crítica Curta". Na ocasião, se realiza um balanço dos filmes exibidos na programação do festival pelos alunos de oficina ministrada pelo jornalista Thiago Stivaletti. O Crítica Curta é destinado a estudantes de audiovisual que tem o objetivo de promover a reflexão em torno da produção de cinema contemporâneo no formato de curta-metragem, contribuindo para o exercício, a produção e a difusão de textos.

Uma equipe do curso de Cinema e Audiovisual da ESPM - Escola Superior de Propaganda e Marketing acompanha toda a programação do 31º Festival de Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum para produzir o making of do evento. Sob a supervisão da equipe docente da escola, encabeçada pela profa. Lyara Oliveira, os alunos fazem entrevistas e documentam as atividades, sendo o resultado disponibilizado  no site kinoforum.org após o encerramento da programação.

O Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo – Curta Kinoforum é organizado pela Associação Cultural Kinoforum, entidade sem fins lucrativos que realiza atividades e projetos e apoia o desenvolvimento da linguagem e da produção cinematográfica com destaque para a promoção do audiovisual brasileiro.

Ao final, encontram-se dados sobre todos os filmes e as atividades programadas.

Serviço

31º FESTIVAL INTERNACIONAL DE CURTAS-METRAGENS DE SÃO PAULO

CURTA KINOFORUM ONLINE

de 20 a 30 de agosto de 2020

acesso gratuito à programação: kinoforum.org.br ou pelos aplicativos InnSaei.tv para celulares, tablets e smart TVs disponíveis nas lojas do Google Play ou Apple Store (para televisores, utilizar Airplay e Chromecast) 

informações: 

www.kinoforum.org/curtas

www.facebook.com/kinoforum 

www.instagram.com/curtakinoforum 

twitter.com/kinoforum 

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Ex BBB Dicesar assina contrato com produtora e lança música brega ao lado de cantor católico

Em Neon: sexta-feira, 10 de julho de 2020

O maquiador Dicesar Ferreira, ex integrante da décima edição do reality show Big Brother Brasil, o qual também faz sucesso com a sua principal personagem, que possui há mais de 25 anos, a drag queen Dimmy Kieer, vive retomada incrível em sua carreira artística em plena pandemia.

O artista está a um passo de se tornar Pop Star do show business, onde o ex BBB parece que acertou em cheio com novos contratos para tornar-se garoto propaganda de produtos e ainda compôs uma música no estilo brega, onde canta em parceria com o cantor sertanejo Miller Gomes da igreja católica.

Miller Gomes tem uma carreira consolidada na igreja católica onde palestra na prevenção ao câncer e canta suas canções de louvor e adoração. Com uma veia musical muito romântica, o cantor tem se destacado em suas redes sociais nesta vertente sertanejo pop com seu parceiro Bruno Oliveira, e já esteve por duas vezes no Vaticano ao lado do Papa Francisco, sendo em 2016 e 2018 e preserva com carinho e muito amor os amigos que conquistou pelo Brasil em suas missões.

Miller e Dicesar se juntam e gravam canção de sofrência e desapego, mostram ao mundo que todos são iguais e brindam a diversidade, já com pré contrato com grande marca de cerveja, onde os dois podem se tornarem os queridinhos e garotos propaganda da marca.

Segundo Miller, a música foi  produzida por grande produtores da região do Pará, e o hits possui um leve toque de pisadinha com brega, onde menciona a libertação de um amor perdido e vem com uma pegada dançante, onde tem tudo para se tornar sucesso e conquistar o público do Brasil.

Crédito das Fotos:  @pcbeccbnews / Divulgação

sexta-feira, 3 de julho de 2020

Parece que o Facebook não acredita que ameaçar pessoas LGBTQIA+ de morte seja discurso de ódio

Em Neon: sexta-feira, 3 de julho de 2020

A partir deste mês, vários grandes anunciantes como: Starbucks, Ford, Coca-Cola, Honda e Verizon, para citar alguns - estão retirando seus anúncios do Facebook para protestar contra a falta de resposta da plataforma à desinformação e discurso de ódio.

A  campanha Stop Hate for Profit  foi organizada no mês passado por vários grupos de direitos civis, incluindo a Liga Anti-Difamação, a NAACP, a Free Press e a Color of Change.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, respondeu ao boicote alegando que a empresa começará a colocar “etiquetas de aviso” nas postagens, mas não impedirá que os usuários publiquem seu conteúdo. Isso para que os usuários do Facebook tenham a liberdade de condená-lo porque "essa é uma parte importante de como discutimos o que é aceitável em nossa sociedade". Mas agora, um novo relatório está destacando a hipocrisia (e o perigo) desse conteúdo não regulamentado.

Ativistas do LGBTQIA+ de todo o Oriente Médio e Norte da África (MENA) se queixaram ao Facebook de postagens particularmente perturbadoras que pedem aos muçulmanos que matem pessoas LGBTQIA+.

De acordo com o Gay Star News e a OUT Magazine, o Facebook respondeu à reclamação dos ativistas sobre um post em particular de um usuário chamado Abdullah, que foi traduzido para: “'Se você acha que é seu direito agir sobre sodomia / homossexualidade, é meu direito jogá-lo do telhado."

O Facebook respondeu aos ativistas do MENA, que o post "não vai de encontro aos padrões da nossa comunidade, incluindo o discurso de ódio".

Imagem: Facebook
Além disso, o Gay Star News observa que os ativistas também mostraram ao Facebook a foto do perfil de um usuário chamado "Michael Clarke", que mostra duas figuras - uma simples, a outra feita em um arco-íris. Na imagem, o homem comum é visto chutando o homem arco-íris, uma clara mensagem anti-gay e pró-violenta.

Imagem: Facebook
Outro usuário sobre o qual eles reclamaram no Facebook é "Waallah Hasal", que postou uma ilustração de um suposto combatente islâmico com uma espada enfrentando manifestantes pacíficos LGBTQIA+ e os Black Lives Matter.

Não se engane, o post de Abdullah não era uma ideia ou sugestão fantasiosa.

Nos últimos anos, relatório após relatório mostrou que membros do ISIS, em nome do Islã, assassinaram homens gays e bissexuais atirando-os de cima de telhados, decapitando-os ou apedrejando-os até a morte. Várias das vítimas eram adolescentes.

22 ativistas e grupos LGBTQIA+ MENA escreveram uma carta aberta ao Facebook, pedindo para tomar mais medidas contra essa retórica violenta no Oriente Médio e no norte da África, como ocorre nos países ocidentais.

A carta veio logo após a morte de Sara Hegazy. A imagem de Hegazy de si mesma levantando uma bandeira de arco-íris em um show de Mashrou 'Leila em outubro de 2017 se tornou viral. Logo depois, ela ficou presa por três meses. Depois de procurar asilo no Canadá, o trauma de Hegazy cresceu demais para suportar e ela acabou morrendo por suicídio.

"Embora a comunidade MENA LGBTQIA+ tenha relatado milhares de publicações em árabe sobre discursos de ódio a maioria desses relatórios foi recusada porque o conteúdo 'não contradiz os padrões da comunidade do Facebook'. Isso se deve à negligência na implementação de políticas eficazes de discurso contra o ódio em nossa região, o que torna a plataforma insegura para as minorias sexuais", afirma a carta.

"Nos EUA e na Europa, não há espaço para espalhar discursos de ódio contra qualquer orientação sexual, raça, religião, seita ou qualquer outro grupo social", disse Adam Muhammed, diretor executivo do ATYAF Collective, um grupo LGBTQIA+ com sede em Marrocos. em comunicado à Reuters . "Endereçamos uma carta ao Facebook solicitando à sua administração a implementação da mesma política aqui usada em outros países".

Nicolas Gilles, co-fundador da Associação Francesa ANKH para os direitos das minorias, que co-assinou a carta, chamou a morte de Hegazy de alerta, acrescentando: “A comunidade LGBTQIA+ agora no mundo árabe está testemunhando assédio e bullying e todo mundo está dizendo que poderia ser o próximo [Hegazy] e nós não queremos isso. ”

Desde então, o Facebook respondeu à carta aberta, dizendo à Reuters:

"Sabemos que temos mais trabalho a fazer aqui e continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com os membros da comunidade LGBTQIA+ no Oriente Médio e Norte da África para desenvolver nossas ferramentas, tecnologia e políticas".

Fonte: OUT Magazine

segunda-feira, 29 de junho de 2020

Nova canção da cantora Lizzo, traz meninos de 'Queer Eye' em desenho animado

Em Neon: segunda-feira, 29 de junho de 2020

Para comemorar o mês da visibilidade LGBTQI+ a cantora Lizzo lançou o videoclipe de seu hit pop "Soulmate" onde aparecem as bibas poderosas da série Queer Eye (Netflix).

No vídeo, Lizzo (em animação) aparece andando sozinha no SoHo com uma atitude de poderosa auto-estima. Ela é acompanhada periodicamente por Karamo Brown, Bobby Berk, Antoni Porowski, Tan France e Jonathan Van Ness, enquanto compartilham mensagens de auto-confiança, empoderamento, e a importância de ser fiel a si mesmo.

Os vídeos de Lizzo são conhecidos por seus visuais coloridos e batida de alta energia, e “Soulmate” não decepciona.

Segundo a OUT, a cantora que desafia o gênero surpreendeu os ouvintes no ano passado com "Juice", que a Rolling Stone chamou de "primeira grande música do ano". Embora algumas pessoas soubessem que a cantora também era uma flautista de sucesso, em 2019, ela deixou todos saberem que a flauta de jazz era legal novamente.

Você pode conferir Lizzo e os Fab Five em "Soulmate" abaixo:


quinta-feira, 4 de junho de 2020

Em comemoração ao Dia do Orgulho LGBTI+ Espetáculo 'Vida Viada' ao vivo on-line no DIGO Festival

Em Neon: quinta-feira, 4 de junho de 2020

Escrito e encenado pelo ator e cantor Guto Rocha, o espetáculo solo Vida Viada será apresentado na forma de uma live no perfil do Instagram do DIGO – Festival Internacional de Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás, em comemoração ao Dia do Orgulho LGBTI, 28 de junho, 20 horas.

Trata-se de uma performance artística que une texto e músicas para descrever passagens de sua infância, na voz de Nunna Queer, drag queen criada pelo artista. No texto, ele aborda como lidou com a descoberta de seus desejos e expressões, como uma criança que sempre soube ser gay, mesmo
antes de entender o que isso significa.

"A ideia surgiu a partir de uma inquietação própria, da busca da minha infância como gay. E também da observação de outras crianças". Ele conta que o processo de criação foi muito rápido, e que a princípio, a ideia era escrever histórias ficcionais. "Comecei a mesclar coisas minhas e quando eu vi, todo o material era autobiográfico. São histórias e músicas da minha infância". A performance que se verá na live é o embrião de um projeto que ele pretende estender e agregar outras vivências: "Esta apresentação é um primeiro momento do espetáculo, o próximo passo é recolher histórias de mais pessoas LGBTQIA+ para compor um espetáculo maior e quando todo esse revés passar, encenar nos
palcos."

A partir de recordações de episódios específicos de sua infância, ele percorre um histórico de eventos definidores de sua identidade enquanto "criança viada" e os mistura a músicas que fizeram parte de sua infância. "As músicas são uma continuação das histórias que eu conto. Elas entram de uma maneira muito orgânica com o texto, dando continuidade ao texto ou ilustrando o que o texto fala".

No repertório, uma seleção de canções que fazem parte da memória afetiva de uma geração, de Xuxa a Luís Caldas.

As lembranças evocam passagens engraçadas, tristes e até mesmo traumáticas. "As pessoas LGBTQIA+ são mais reprimidas na infância. Meninos heterossexuais têm suas investidas sexuais e românticas incentivadas na adolescência, meninos gays aprendem que devem ter vergonha de ser como são. Isso numa fase que em que ele nem sabe o que está acontecendo com seu corpo. Gays, lésbicas, transexuais passam a vida inteira sofrendo pequenas rupturas, percebem que não conseguem se encaixar naturalmente em nenhum lugar."

Guto Rocha é ator e cantor com formação no Teatro Escola Basileu França. Em 2017 participou da montagem da peça Ópera do Malandro, de Chico Buarque, interpretando a icônica personagem Geni. Há dois anos se reveza nas apresentações do grupo Samba do Carlito e no show solo Toda Forma de
Amor, onde desfila um repertório romântico com textos e poesias sobre a diversidade sexual e de gênero. Nos palcos e nas redes sociais, se apresenta maquiado e transitando entre gêneros, por meio da drag queen Nunna Queer, seu alter ego, que dá voz a pessoas marginalizadas e oprimidas.

Serviço
Performance artística de Guto Rocha (@nunnaqueer)

Dia 28 de Junho
Às 20h
Perfil @digofestival
(Basta acessar a live no horário)
Doe para Casa de Renovo
Acolhimento LGBTI
https://picpay.me/casa.renovo

Acompanhe as lives do @digofestival !

O DIGO Festival através da campanha #digoficaemcasa está realizando lives com bate papo todas as terças, sextas e sábados, no instagram @digofestival, com convidados super especiais do Brasil e do Exterior falando sobre o universo LGBTI+ arte ! Não deixe de acompanhar !

sexta-feira, 29 de maio de 2020

Alcione lança álbum de inéditas, 'Tijolo por Tijolo'

Em Neon: sexta-feira, 29 de maio de 2020

Após vários adiamentos devido à pandemia, Alcione e a Biscoito Fino resolveram fazer o lançamento do álbum "Tijolo por Tijolo", o primeiro de inéditas em 7 anos,  no dia 29 de maio, sexta-feira!

Nos últimos anos, a cantora abraçou projetos que incluíam apenas hits, mas o público ansiava por novidades. No CD, com duas músicas que já estão nas plataformas digitais, homenagens a Pelé, ao Maranhão, e uma seleção de craques de várias gerações.

O "álbum físico" poderá ser adquirido no site da gravadora, a partir da mesma data em que o CD estará disponível nas plataformas digitais.

No último domingo, 24/05, via canal youtube.com/alcioneoficial, a pedido dos fãs, a cantora fez sua segunda live solidária, intitulada "Roda de Samba Original Apresenta Alcione, Live Solidária II", com participações das cantoras Sylvia Nazareth e Karinah. Instituições do Rio e Maranhão serão beneficiadas, conforme ocorrido na primeira Live.
 
Todos os direitos reservados para © 2014 Em Neon
Desenvolvido por Code Art Design by Maurício Code