NOVIDADES

COMPORTAMENTO

sexo

Vídeos

Arquivo Em Neon

Entretenimento

Mundo LGBTI

.

Divertidíssima

GALERIAS

quinta-feira, 23 de maio de 2019

Preta Gil agita São Paulo com o seu famoso baile na Audio, nesta sexta-feira

Em Neon: quinta-feira, 23 de maio de 2019

Baile do Bloco da Preta acontece amanhã, dia 24 de maio, com a presença dos DJs Leandro Pardi, Victor Vieira e Lily Scott

São Paulo se prepara para receber mais uma edição do tradicional “Baile do Bloco da Preta” na Audio, nesta sexta-feira, dia 24 de maio. Trazendo o seu carrossel de hits, Preta Gil celebra a liberdade e a diversidade como tem feito desde o início de sua carreira. O evento também contará com os DJs Leandro Pardi, Victor Vieira e Lily Scott animando a festa, que não tem hora pra acabar.

O Baile da Preta é uma verdadeira mistura musical, com repertório composto por seus grandes novos hits, como “Excesso de Gostosura”, “Penta”, “Vá se Benzer”, “Decote”, além dos sucessos “Sinais de Fogo”, “Stereo”, “Meu Corpo Quer Você” e muitos ritmos brasileiros como funk, samba, axé e sertanejo. Nos “Bailes da Preta“, a cantora é acompanhada por uma banda formada por Fabio Lessa (Baixo), Ricardo Marins (Guitarra), André Fernandes (Bateria) e Geovanni Andrade (Teclado). No “Bloco da Preta“, além da banda, a cantora leva para o palco a bateria “Black Power”, comandada por Mestre Pablo à frente de dez ritmistas.

Preta Gil
Preta Gil nasceu no Rio de Janeiro e, com um ano de idade, mudou-se para Salvador. Sempre interessada por música, lançou seu primeiro disco, intitulado Prêt-à Porter, em 2003. O segundo álbum, Preta, foi lançado em setembro de 2005. Em 2010, Preta lançou Noite Preta ao Vivo, que atingiu certificado de ouro em CD e DVD, chegando ao topo das paradas em todo o país. Sou Como Sou, de 2012, também recebeu disco de ouro e emplacou as primeiras posições das paradas em todo o país. Em 2014, lançou o CD e DVD ao vivo Bloco da Preta. No ano de 2017, em comemoração aos seus 15 anos de carreira, Preta Gil lançou o sexto álbum de estúdio, Todas as Cores, com participações especiais de Gal Costa, Marília Mendonça, Pabllo Vittar e Ana Carolina.

A irreverência e o talento multi-facetado de Preta Gil conquistaram o público e levaram a artista a se aventurar em diversas áreas. Além de turnês nacionais, cinco discos e dois DVD’s, Preta também participou de novelas, programas e minisséries desde 2003, como “Ó Pai Ó”, “Caminho das Índias”, “As Cariocas”, “Ti Ti Ti” e “Cheias de Charme”. Atuou como apresentadora nos programas “Caixa Preta”, na Bandeirantes, e “Vai e Vem”, no canal GNT, onde também apresentou seis episódios de “Super Bonita” e fez parte do elenco fixo do programa “Esquenta”, com Regina Casé, na Rede Globo. No teatro, foi protagonista do musical “Um Homem Chamado Lee”, com músicas da cantora Rita Lee.

Há dez anos comanda o Bloco da Preta, hoje um dos três maiores do Rio de Janeiro e já considerado uma tradição do Carnaval carioca. O sucesso do bloco, que atrai em seus desfiles uma multidão de mais de meio milhão de pessoas a cada ano, transformou Preta em uma figura obrigatória na agenda da maior festa popular não só do Rio, mas em Salvador e São Paulo, onde realizou o primeiro desfile do Bloco da Preta no ano de 2019 – além do desfile do bloco, a cantora comanda uma série de festas e eventos pré-carnavalescos, sempre lotados e disputados. Sua agenda ainda a leva para animar festas pré e pós-carnaval em outras cidades do país.

Preta Gil vem ainda conseguindo se firmar como empresária – sua linha de esmaltes é hoje uma das mais vendidas do país, além de também contar com uma linha de batons e óculos.

SERVIÇO
DATA: 24 de maio

LOCAL: Audio (Av. Francisco Matarazzo, 694 - Água Branca - São Paulo - SP)
HORÁRIO: 22h
CLASSIFICAÇÃO: 18 anos
MAIS INFORMAÇÕES: Link do evento no Facebook

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Dois Terços lança campanha no Dia Internacional de Luta Contra a LGBTfobia

Em Neon: quinta-feira, 16 de maio de 2019

Itamar Ferreira Souza (2013), Felipe Doss (2017), Thadeu Nascimento, ou Têu Nascimento (2017), Willian Neves de Santana (2018), Sabrina Santos Vidal (2019) e Alex Fraga (2019). Esses foram alguns baianos na lista dos 1.428 LGBTQIA+ assassinados no Brasil nos últimos quatros anos, e, infelizmente, seus assassinos continuam soltos por falta de investigação, ou por serem “esquecidos” nos autos dos processos nas varas criminais, enquanto familiares e amigos vivem o luto eterno pela perda de um entente querido. Diante desta triste realidade, o site Dois Terços (www.doistercos.com.br), veículo de notícias LGBTQIA+ da Bahia, lança, no Dia Internacional de Luta Contra a LGBTfobia (17), uma campanha, que tem como norte trazer para as esferas do movimento LGBTQIA+, dos políticos e dos ativistas dos Direitos Humanos, a cobrança para a prisão destes assassinos (e punição para todos os assassinatos) e pressão para que o STF criminalize a homofobia, e, assim, reduza a banalização dos altos índices de violências contra LGBTQIA+, em razão da falta de uma lei que puna esses crimes no país.


A campanha – que é um questionamento sobre até quando os LGBTQIA+ serão vítimas da homofobia e os culpados estarão soltos – será um dos assuntos abordados nas ações do site, e principalmente nas redes sociais, grupos de WhatsApp e sites de paquera, buscando atingir o maior número de pessoas para que elas façam, junto a nós, uma reflexão sobre a atual situação de vulnerabilidade da comunidade.

Para Genilson Coutinho, ativista LGBTQIA+ e editor chefe do Dois Terços, todo dia é dia lutar e somar novos defensores e questionadores nesta luta pela vida das pessoas LGBTQIA+. "É triste ter que divulgar, todos os dias, a morte de um LGBTQIA+, acompanhar nas redes sociais frases como ‘até quando?’ e ‘mais um de nós que se vai’ e seguir sem notícias sobre investigações e muito menos a prisão dos culpados. O sofrimento das famílias e amigos são imensuráveis, e, ainda que a prisão destes assassinos não traga um familiar ou amigo de volta, ao menos possibilitará um pouco de paz para aqueles que aguardam por justiça", pontua Coutinho, que afirma também que esta “tem que ser uma luta diária, pois já não suportamos dados alarmantes e punição zero”.

Quem também fala sobre essa falta de punição é Keila Simpson, presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA).

Punição e culpados
De acordo com o relatório anual do Grupo Gay da Bahia (GGB), em menos de um quarto desses homicídios o criminoso foi identificado e menos de 10% das ocorrências resultaram em abertura de processo e punição dos assassinos. A maior parte dos homicidas identificados eram desconhecidos da vítima, relacionamento casual. Apenas 4% (18) dos criminosos eram companheiros ou ex-companheiros das vítimas.

Segundo a presidente da ANTRA, Keila Simpson, um dos fatores que tem contribuído para o aumento significativo dessa violência, com certeza, foi – e é – o momento político que enfrentamos (as declarações homofóbicas do presidente da república e a incitação ao ódio, pregada por ele a todo momento); a inexistência de ações que impliquem na redução dessas violências e assassinatos; o levante efusivo de religiões com discursos fanáticos, radicais e intolerantes.

“Apesar da visibilidade alcançada através das mídias sociais os crimes continuam acontecendo. Nesse dia 17 de maio não temos muito o que comemorar, mas, sim, o que reivindicar, principalmente a massificação das violências físicas e verbais”, declara Keila. Ela faz menção, ainda, a dados de pesquisas que revelam que a naturalização dessas violências tem feito os índices de suicídio entre pessoas LGBTQIA+ aumentarem. A falta de enfrentamento e punição faz com que as vítimas sejam violentadas outra vez quando esses crimes são julgados.

Diante desse cenário, é de suma importância que os ministros do STF, no dia 23, votem favoráveis à criminalização da homofobia (condicionando ao crime de racismo). “Sabemos que a legislação, em si, não vai erradicar a violência, mas será o instrumento que punirá as pessoas que a cometem, e a partir disso, tendo um aparato legal, é possível que haja a redução dos crimes, aumentando a segurança da comunidade LGBTQIA+”, afirma Keila, que indica que, junto à criminalização, é necessário reforçar o trabalho de conscientização da sociedade sobre respeito à diversidade, principalmente de que a comunidade busca direitos iguais e não privilégios.

(Fotos: Divulgação)

'Espaço Fluir Bota-Fogo': O primeiro e único espaço cultural no país dedicado a reflexão, discussão, debates e palestras sobre a sexualidade humana

Será inaugurado no próximo dia 29 de maio/2019, o ESPAÇO FLUIR BOTA-FOGO, o primeiro e único espaço cultural, fixo, no Brasil/Rio de Janeiro, para reflexão, discussão, debates e palestras sobre a sexualidade humana e os novos modelos de comportamento do homem e da mulher e dos casais.

O espaço conta com:
-Exposições: Minimuseu da lingerie, pintores, escultores e escritores.
-Palestras: Relacionamentos (Todas as suas vertentes e seguimentos), as mudanças nas relações, os novos modelos de família, feminicídio, empoderamento feminino, fantasias sexuais, gravidez precoce, o assédio, o novo assédio, gêneros etc
-Aulas e serviços: Tarô, pole dance, chair dance, strip-tease, sensualidade, fotografia (com foco na natural sensualidade feminina e masculina), terapia e massoterapia tântrica e terapia ho'oponopono e constelação familiar;
- shows musicais com grupos e bandas;
- Performances teatrais.

Profissionais envolvidos no Projeto FLUIR BOTA FOGO:
Marcos Entrenós – Autor do 1º livro sobre a fantasia sexual swing lançado no Brasil (“Um Casal Entre Nós”). Mestre/Terapeuta tântrico e Ho'oponopono. Mentor do método FLUIR. 04 anos realizando terapia. Equilibrando vidas nos seguimentos: Mental, físico, espiritual e sexual. Também palestrante: Relacionamentos e fantasias sexuais.

Kamila Habdallah - Taróloga com vasta experiência em consultas de tarô e oráculo. Suas sessões mesclam o oculto e o terapêutico, promovendo um atendimento integral e personalizado.

JuliKali (Juliana Cabral) – Professora de Pole dance, com 08 anos de experiência. Instrutora de Chair dance. Primeira massoterapeuta tântrica do método FLUIR no Brasil.

Thelma Vidales - Fotógrafa, com 9 anos de experiência. Seus ensaios mesclam sensualidade e arte oferecendo uma experimentação fotográfica diferenciada e uma ode ao exibicionismo.

Julia Ferraro - Jornalista, palestrante, empresária e pós-graduanda em educação sexual.  Sócia do Clube do Batom, produtora de eventos para mulheres. Em 2016 defendeu a tese Primavera das Mulheres - Feminismo, Sexualidade e Empoderamento.  Palestrante: ‘Fantasias e Fetiches’, ‘Masturbação Feminina’, ‘Uso de produtos eróticos como ferramenta de autoconhecimento’, ‘Métodos anticoncepcionais’, ‘Sexo e Religião’, ‘Como falar sobre sexo da infância à adolescência’.

Serviço
ESPAÇO FLUIR BOTA FOGO;

Rua Visconde Caravelas 176 – Botafogo.
Melhores informações: Tel. (21) 2235-4821
Funcionamento:
Todas as quartas feiras, a partir de 29/maio, das 16h as 21h.
Obs: Todo final de noite, das 20h as 21h haverá um show ou uma palestra
Dia 22 de maio/2019 será oferecido um cocktail à imprensa e amigos para apresentação do projeto das 18h as 20:30h
ENTRADA LIVRE
* Os serviços, como curso de pole dance, truques de maquiagem, terapia tântrica, fotografia para books sensuais, palestras, shows, performances teatrais... serão pagos a parte.
Capacidade: 100 pessoas
Para palestras e shows: 40 pessoas

segunda-feira, 29 de abril de 2019

Isadora Ribeiro volta aos palcos com o espetáculo 'Diário de Bordo', no Teatro Candido Mendes, em Ipanema

Em Neon: segunda-feira, 29 de abril de 2019



DIÁRIO DE BORDO retorna à cena carioca depois de grande sucesso no Festival de Teatro de Curitiba. O espetáculo apresenta a atriz Isadora Ribeiro em sua melhor fase. São 3 esquetes sensíveis e inteligentes, que cruzam as histórias de três viajantes: um homem, uma mulher e uma idosa – todos vividos pela atriz – em viagens por lugares tão diferentes quanto a Irlanda, Marrocos e Nova Iorque.

1ª esquete: Última Parada Dublin; 2ª esquete: Nova Iorque 1963; 3ª esquete: Medinas. Através desses três tipos tão especiais e diversos, somos levados a refletir sobre as nossas próprias existências. O texto premiado foi escrito por Maria Sampaio, filha da atriz. O espetáculo faz parte da MOSTRA CARIOCA CORES DA DIVERSIDADE, com produção de Guilherme Oliveira. Estreia dia 03 de maio em uma curta temporada até 12 de maio.

MOSTRA CARIOCA CORES DA DIVERSIDADE 2019 - Teatro Cândido Mendes
Produção: Guilherme Oliveira
Trata-se de uma mostra Teatral, que apresenta 4 textos que abordam a pluralidade, a variedade e a diferença. São eles: DIÁRIO DE BORDO  de Maria Sampaio. EM NOME DO FILHO de Dolores DelRio. LUZ VERMELHA  de Dolores DelRio. DEI A ELZA EM VOCÊ de Fernando Giusti

Espetáculos onde as personagens se revelam na perspectiva de despertar um olhar apurado e sensível na plateia, sobre a diversidade em todas as suas cores e tons. A Mostra tem a intenção de ampliar e discutir a questão da diversidade em todos os seus aspectos. A atriz Isadora Ribeiro, que abre a mostra com o espetáculo DIÁRIO DE BORDO, é também a madrinha do Evento.

SERVIÇO
Diário de Bordo
Texto: Maria Sampaio
Direção: Roberto Innocente
Elenco: Isadora Ribeiro
Teatro Cândido Mendes
Endereço: Rua Joana Angélica, 63 - Ipanema
Telefone: 2525-1000
Horário: sextas, sábados e domingos às 20:00
Duração: 60 minutos
Ingressos: R$50,00 e R$25,00
Temporada: 03 de maio a 12 de maio

Hugo Bonemer fala como foi homenagear Britney Spears

Foto: Sérgio Santoian
No último domingo, o ator Hugo Bonemer homenageou nada menos que a princesa do pop Britney Spears no quadro Show dos Famosos, do Domingão do Faustão. Além do cabelão, maquiagem e roupa de aeromoça, características de um dos clipes mais famosos da cantora, “Toxic”, Bonemer teve que rebolar e aprender a usar todo o sex appeal presentes nas apresentações da musa pop. Ele fala um pouco de como foi a preparação para encarnar a cantora.

- Eu tive aula de voguing (uma dança moderna altamente estilizada que se caracteriza por posições típicas de modelos com movimentos corporais definidos por linhas e poses), com a Lua Cazul, que eu escolhi, pois ela é uma excelente bailarina e professora. Este estilo de dança é bastante usado pelas drag queens, ou seja, para homens que fazem performances artísticas como mulheres e precisam criar, através dos movimentos da dança, um corpo mais feminino – diz Bonemer.

Além de Lua, o ator teve ajuda do namorado, Conrado Helt, que o ajudou a pesquisar melhor as performances de Spears e os movimentos utilizados por ela em “Toxic”. Bonemer diz que adorou a escolha, pois pela cantora ser um ícone pop mundial, sabe do carinho enorme que as pessoas têm por ela, inclusive ele que a adora, então só teve felicidade em poder homenageá-la. Além disso, o ator está ciente dos momentos difíceis pela qual Spears passa no momento e sabe que essa homenagem é um “carinho” que ele pode dar aos fãs e que é mais uma forma de mostrar o quão incrível é o legado da musa.

A escolha da música se deu por ser um dos maiores hits da cantora, além de ter marcado bastante a sua carreira, e também ser a canção dela mais tocada no Spotify.

- O maior desafio foi deixar a minha feminilidade acontecer e dançar com um corpo feminino, me imaginar como Britney Spears. Espero que os fãs tenham gostado, pois fiz com muito carinho e dedicação. Admiro muito ela, essa fase, de Toxic, ela jogava muita energia em tudo, e isso eu admiro demais na cantora – completa Hugo.

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Brasileiros expõem na La Collezione Queer na Itália

Em Neon: quinta-feira, 25 de abril de 2019

O fotógrafo Alejandro Zenha e o cineasta Cristiano Sousa são os primeiros brasileiros convidados para a exposição La Collezione Queer, que acontece de 28 de abril a 14 de maio na galeria Ospizio Giovani Artisti em Roma, Itália.

A exposição apresentada no Ospizio Giovani Artisti é dedicada às filosofias e teorias "queer", termo de difícil definição e explicação em poucas palavras. O que podemos dizer aqui, simplificando o máximo possível, é que a sexualidade indefinida, fluída, etc, com todas as implicações e também as provocações políticas e sociais que lhe dizem respeito, são o tema básico tratado pelos oitos artistas presentes na exposição, com trabalhado como sempre vindo da coleção OGA", diz Werther Germondari - curador da exposição.

As obras consistem em fotos realizadas durante o II DIGO Festival Internacional da Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás, em 2017, no Centro Cultural da Universidade Federal de Goiás, no projeto intitulado "Corpo N(eu)tro" de Alejandro Zenha e videoartes provenientes do ensaio
e outros com o tema LBGTI de Cristiano Sousa.



Leny Andrade e Dóris Monteiro são homenageadas na Feira do Vinil do Rio


A primeira edição do ano da FEIRA DO VINIL DO RIO será no domingo, dia 28 de abril, comemorando 10 anos de existência e homenageando DUAS cantoras ícones da nossa música: Dóris Monteiro e Leny Andrade, que comparecerão ao evento para receber o Troféu Feira do Vinil do Rio.


A feira estreia em novo espaço, no IAB - Instituto dos Arquitetos do Brasil, no Flamengo. Com entrada franca (1kg de alimento), o evento conclama o público carioca para um verdadeiro grito de resistência cultural, em protesto à situação de abandono politico, moral e sócio-cultural que o país vive, mais especificamente a nossa cidade.

Pela primeira vez em seus 10 anos,  a Feira do Vinil do Rio vai promover sessões gratuitas de filmes que transitam no universo musical. Das 12h às 14h, o público que estiver no evento poderá assistir, no auditório do IAB, os vídeos “Duelo de Titãs” (sobre a Furacão 2000) , do cineasta Cavi Borges. “The Big Boy Show” (sobre o lendário DJ e apresentador Big Boy, dos cineastas Leandro Petersen e Cláudio Dager), e “Um dia com os Blacks que ainda existem”, de Marcio Grafifti. Depois, haverá um bate-papo com os cineastas.

Feira de Vinil do Rio grita por resistência cultural em sua primeira edição de 2019, comemorando 10 anos e homenageando Dóris Monteiro e Leny Andrade,

Com entrada franca e cerca de 2000 frequentadores por edição, evento se muda para o CATETE, ocupando o Instituto de Arquitetos do Brasil com raridades, lançamentos musicais e exibição de filmes. Cantoras ícones da música brasileira receberão em mãos o Troféu Feira do Vinil do Rio.


A Feira de Vinil do Rio de Janeiro chega à sua 21º edição, no dia 28 de abril, domingo, desta vez estreando em um novo espaço: o Instituto de Arquitetos do Brasil, no Catete. Comemorando 10 anos desde sua primeira realização, a feira decide empunhar, neste ano, a bandeira da resistência cultural frente à crise política, econômica e moral pela qual atravessa nosso país: “estamos nos deparando com uma grave situação econômica vivida pelo Brasil atualmente, e mais aguda, no caso do Rio de Janeiro; uma das primeiras áreas atingidas é a Cultura, infelizmente vista como supérflua, seja em suas manifestações artísticas, seja em sua cadeia produtiva , representada por lojas, centros culturais, produtoras, e etc.”, afirma Marcello Maldonado, produtor executivo da Feira, que conclama lojistas,  profissionais de Cultura e o grande público para se juntarem neste grande grito de resistência.

Durante o dia, as cantoras Dóris Monteiro e Leny Andrade vão receber o Troféu Feira de Vinil do Rio de Janeiro, já entregue, ao longo das últimas edições, a João Donato, ao grupo Azymuth, a Marcos Valle, ao compositor e arranjador Arthur Verocai, ao cantor e compositor Carlos Dafé e ao sambista Wilson das Neves. Marcello MBGroove, produtor artístico da Feira do Vinil do Rio, ressalta a importância da escolha: “até hoje não havíamos homenageado mulheres... neste momento de importante reforço na questão do empoderamento feminino, nestes tempos onde a mulher tem sido alvo de situações extremas, convidamos essas duas divas do Sambalanço e MPB, mulheres que  representam muito do que foi prensado em vinil no país nas décadas de 60 e 70 e são ícones, mulheres à frente do seu tempo, artistas de extremo talento e que merecem nossa reverência”.


Produzida por Marcello Maldonado e pelo produtor artístico Marcello MBGroove (coletivo Vinil É Arte), a feira tem entrada franca mediante a entrega simbólica de 1 kg de alimento, a ser entregue à Sociedade Viva Cazuza. Ao longo do dia, vários DJs apresentarão seus sets em vinil, especialistas nos mais variados estilos; MPB, Black Music, Rock, Eletronic. Cerca de 60 expositores de todo o Brasil estarão presentes com discos e CDs. Do Rio, participarão, dentre outros, a Tropicália Discos e a Arquivo Musical, além da Livraria Baratos da Ribeiro e da Satisfaction. Os paulistas serão representados pelo Beco do Disco, Casa da Mia, Mega Hard, Mafer Discos e Vinil SP, só para citar algumas. A feira terá também estandes de venda de CDs, equipamentos de áudio, marcas de roupas e acessórios com esta temática.

Pela primeira vez em seus 10 anos o evento vai promover sessões gratuitas de filmes que transitam no universo musical. Das 12h às 14h, o público que estiver no evento poderá assistir, no auditório do IAB, os vídeos “Duelo de Titãs” (sobre a Furacão 2000), do diretor Cavi, “The Big Boy Show” (sobre o lendário DJ e apresentador Big Boy), dos cineastas Leandro Petersen e Cláudio Dager, e “Um dia com os Blacks que ainda existem”, de Marcio Grafifti. Depois, haverá um bate-papo com os cineastas.

SERVIÇO
21° Feira de Discos de Vinil do Rio de Janeiro
Dia: 28 de abril, domingo
Horário: 11h às 19h
Local: IAB – Instituto dos Arquitetos do Brasil
Endereço:  Beco do Pinheiro, 10 - Flamengo, Rio de Janeiro
Entrada: 1 kg de alimento não perecível
Classificação: livre
Informações: 21-98181-9733


DÓRIS MONTEIRO
A voz suave de Dóris Monteiro foi descoberta bem cedo, aos 14 anos, na Rádio Nacional. Sem apoio dos pais, ela teve que ir escondida ao programa ‘Papel Carbono’. O sucesso foi tanto que ela ganhou o prêmio de melhor cantora do dia. Dali para frente, foram inúmeros convites para os mais diversos programas de calouro. Influenciada por Lucio Alves e Dick Farney e menina pobre de Copacabana, pedia ao gerente de uma loja de discos para tocar os sucessos dos seus grandes ídolos. Sem nunca ter visto uma câmera na vida, aventurou-se no cinema e foi premiada como melhor atriz em 1953 pela atuação no filme ‘Agulha no palheiro’. A voz de Dóris Monteiro conquistou o país e a canção ‘Mudando de conversa’ ficou mais de cinco meses nas paradas de sucesso, sendo recordista de vendas. Aos 80 anos, Dóris Monteiro pode ser considerada uma das grandes vozes da música brasileira. O tom doce e a harmonia com as letras fazem dela uma artista capaz de encantar a todos, não importando a idade.

Foto: www.emfotos.com.br
LENY ANDRADE
Diva do jazz, uma das maiores intérpretes brasileiras, a carioca Leny Andrade viveu boa parte de sua trajetória artística no México, Estados Unidos e Europa. Começou a carreira cantando em boates, morou cinco anos no México e passou boa parte da vida morando nos Estados Unidos e Europa. Participou de programas de calouros em rádios e ganhou uma bolsa de estudos para o Conservatório Brasileiro de Música. Estreou profissionalmente como crooner da orquestra de Permínio Gonçalves passando mais tarde a cantar nas boates Bacará (com o trio de Sérgio Mendes) e Bottle's Bar, no Beco das garrafas, reduto de boêmios e músicos do movimento musical urbano carioca surgido em 1957, a bossa nova. Em 1965 alcançou grande sucesso com o espetáculo Gemini V atuando com Pery Ribeiro e o Bossa Três na boate Porão 73, lançado um disco gravado ao vivo. Leny, por muitos considerada a maior cantora brasileira de jazz. Aos 75 anos, seis décadas de carreira, com 35 discos lançados e incontáveis sucessos, mantém-se em plena atividade, fazendo shows e encantando as plateias que têm o privilégio de assisti-la.

sexta-feira, 19 de abril de 2019

Famosos participam, e prestigiam, 'Tudo ao Contrário'

Em Neon: sexta-feira, 19 de abril de 2019

Aconteceu na noite desta terça-feira, 16 de abril, a quarta edição do “Tudo ao Contrário”, realizado pelo CEFTEM (Centro de Estudos e Formação em Teatro Musical) no Teatro Riachuelo, na Cinelândia (RJ).

O show beneficente, dirigido por Reiner Tenente e João Fonseca, contou com vários artistas, que se apresentaram em performances musicais com inversão de gênero.

Nomes como Marcelo Serrado, Tiago Abravanel, André Dias, Kelzy Ecard, Claudio Lins, Helga Nemeczyk, Ícaro Silva, Gabriel Stauffer, Evelyn Castro, Tadeu Aguiar, Marcelo Várzea entre outros participaram de forma voluntária do evento que tem verba revertida para a Sociedade Viva Cazuza.

terça-feira, 16 de abril de 2019

Angelo Pastorello lança o fotolivro 'Retratos de uma Cidade'

Em Neon: terça-feira, 16 de abril de 2019


As imagens refletem a liberdade de um turista-fotografo pelas ruas de Havana.

Angelo Pastorello, fotógrafo paulistano que há mais de 25 anos produz ensaios de moda, publicidade e trabalhos autorais lançará seu fotolivro “Retratos de uma Cidade”, no dia 23 de abril, terça-feira, das 17h às 20h30,  no Paris 6 Petit. O lançamento inaugura o selo "fotobrasil", da editora Carcara, que publica a revista Carcara Photo Art, de arte fotográfica.

“O fotolivro é um livro, com ou sem textos,  onde a mensagem predominante do trabalho é dada por fotografias”, explica Pastorello,  que traz nesta edição as imagens que fez durante os dez dias que esteve em Havana, em 2009. O fotógrafo viajou para a capital de Cuba a convite da Casa De Las Américas. Além da exposição de seu trabalho, sua série de Pinhole “Cenas de São Paulo” passou a fazer parte do acervo do importante Museu cubano.

Durante os dias em passou em Havana, em vários horários do dia e sem nenhum tema que direcionasse o olhar, Pastorello andou pelas efervescentes ruas da capital, tornando-se o que chama de um turista-fotografo, flagrando com sua câmera o cotidiano de seus habitantes e a presença das cores e contrastes, que harmonizam com a estética histórica de uma época “congelada” no tempo.

Estes flagrantes do cotidiano, revistos dez anos depois, inspiraram não só o nome da publicação, mas a ideia de ampliar o projeto turista-fotografo para outras cidades.

“Retratos de uma Cidade” contem 80 páginas no formato 19,5 x 26 cm, lombada quadrada impresso em papel couche 150 g e capa dura, com laminação fosca e tiragem de 200 exemplares. Cada edição vem dentro de uma caixa e acompanha uma ampliação assinada, de diferentes imagens, no formato 20X25cm. Preço: R$ 170.

Sobre Angelo Pastorello 
Com 15 exposições individuais e várias coletivas no currículo, Angelo Pastorello é também reconhecido por seu trabalho nas áreas de moda e publicidade. É responsável pelo processamento de suas fotografias, da revelação manual até as ampliações, característica marcante em seu trabalho, assim como a integração das tecnologias analógicas e digital em todas as suas áreas de atuação. Seu trabalho está no acervo do Museu Casa De Las Américas, em Havana - Cuba. Em 2010, participou da Oitava Bienal Internacional, de Roma. Em outubro de 2018, lançou o livro “Expressões e  Histórias”, com 120 retratos de personalidades em prol da ONG I Know My Rigths.

Exposições :
·     Exp.  “SEDUÇÃO : MIS , 1989 (COLETIVA)
·     Exp.  “PARTICOLARE” : MAN , 1990 (COLETIVA)
·     Exp.  “IMAGENS” :  LI PHOTOGALLERY , 1994
·     Exp.  “NUDE INFRARED” : LI PHOTOGALLERY , 1996
·     Exp.  “PAISAGENS” : GALERIA PAUL MICHELL , 1998
·     Exp.  “ACUSTICA” : ESPAÇO PANGEA , 2.000
·     Exp.  “PORTFOLIO” : MUSEU DA CASA BRASILEIRA , 2.001
·     Exp.  “SÃO PAULO PORTRAIT : SHOPPING IGUATEMI : 2.001
·     Exp.  “NUDE BEATS” : GALERIA PAUL MICHELL , 2002
·     Exp. “ PEIXES “ : HOUSE&GARDEN , 2.005
·     Exp.  “PEIXES” :  LEICA GALLERY : 2.006
·     Exp.  “CARNAVAL” :  MIS , 2.007 (COLETIVA)
·     Exp.  “PEIXES”  : SESC SANTANA , 2.007
·     Exp.  “COLLORS” : MAM , 2.007 ( COLETIVA)
·     Exp.  “ARTE PELA AMAZONIA” : PAVILHÃO BIENAL , 2008 (COLETIVA)
·     Exp.  “PEIXES” : ESPAÇO APRENDIZ , 2.008
·     Exp.  “ARS LATINA “ :CENTRO DE DESARROLLO DE LAS ARTES VISUALES, HAVANA ,CUBA  , 2009
·     8 BIENNALE D’ARTE INTERNAZIONALI DI ROMA : 2010
·     Exp. 5x5 : Galeria Marcos Caiado , Goiania : 2010
·     Exp. ‘Sambaphoto 10 anos “ , São Paulo : 2011
·     Exp. Contemporânea Arte Paraty , Paraty : 2011
·     Exp. “Contém Urbanas , Decameron , São Paulo : 2011   ( COLETIVA)
·     Exp. “ Salazar Fine Art Gallery “ , San Diego ,EUA : 2012 ( COLETIVA )
·     EXP. “ Importa se em falar sobre isso ? “ , Paris 6 : 2014
·     EXP. “Bandidas “ , Paris 6 : 2015
·     EXP. “Frenesi” Paris 6 : 2016
·     EXP. The Art Of Performance : out. 2016 Casa Jaguar

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Jonosake Festival: Vai abalar a Zona Oeste!

Em Neon: sexta-feira, 12 de abril de 2019

Marque na agenda: 12, 13 e 14 de abril serão três dias de muita festa, animação, danças, comidas maravilhosas... E, para deleite dos fãs, a realização do 1° JONOSAKE FESTIVAL ,  em Itaguaí, apresentará Anitta, Naiara Azevedo, Matheus e Kauan, Melim, Jeniffer Nascimento, vários DJS comandando as carrapetas, e muito mais! A família Jonosake, tradicionalíssima no local, está colocando toda sua experiência na organização deste evento, que terá mais de 30 horas de música. Tudo pronto para ser um enorme SUCESSO!

Além do melhor da MPB e da música eletrônica, o JONOSAKE FESTIVAL contará com uma mega estrutura: mais de 10.000m², bares, restaurantes, camarotes com open bar e open food. Já pensou? Diversão completa!

E não para por aí:  haverá trupes circenses, artistas de rua, praça de alimentação, sem falar no SUPERPALCO JONOSAKE, com 250m², além de quatro painéis de LED, com alta definição, e painéis de LED  cenográficos, que vão deixar o público embevecido. As tardes trarão ótimas surpresas: o rapper Pelé Milflows e o Coletivo 1Kilo; o sertanejo Henry Fabiano; samba e pagode com o grupo Bom Gosto; DJs convidados pela rádio Costa Verde FM; e o grupo da casa, JONOSAKE DANCING MACHINE, que é de arrepiar!

Na sexta-feira, 12, os portões serão abertos às 14h. O público aproveitará a tarde com os DJs locais; ouvindo Henry Fabiano; dançando ao som da cantora/atriz Jennifer Nascimento; e caprichando na sofrência com o show da dupla Matheus e Kauan.

Já no sábado, 13, a partir das 14h, quem agita a pista de dança serão os DJs, o rapper Pelé Milflows, o Coletivo 1Kilo e JONOSAKE DANCING MACHINE. Para encerrar o segundo dia com energias do maior alto-astral, o trio Melim, que traz muita paz e amor.

No domingo, 14, último dia do festival, começa às 14h, como sempre.  Todos poderão curtir mais DJs, arrasar no pagode e no samba da melhor qualidade – como o do grupo Bom Gosto.  Mas o melhor está por vir: os dois shows principais da noite, com a diva do sertanejo Naiara Azevedo, e a musa do funk/pop Anitta, deixando o gostinho de espera para o ano que vem.

A trajetória da família Jonosake
Essa história é uma daquelas na qual a dificuldade sempre esteve presente, mas com muito trabalho e dedicação, hoje o Grupo Jonosake é vitorioso. Ele conta com cinco empresas em diversos segmentos, e é administrado pela própria família. Uma união que utilizou os conceitos básicos para tornar-se hoje esse grande conglomerado. Conceitos que, por mais que sejam básicos, são difíceis de se ver hoje em dia, mas a família Jonosake não mudou seu comportamento, continua prezando pelo amor, pela família e pela educação. Foi com esses valores que o patriarca Joaquim Inoue formou a “família” Jonosake, vivendo no lindo sítio em Itaguaí, região da Costa Verde do Rio de Janeiro. Local conquistado com muita determinação e trabalho por Joaquim. Um lugar paradisíaco que já auxiliou e continua ajudando centenas de famílias na região.

Serviço
Nome: 1° JONOSAKE FESTIVAL
Endereço: R. Norma Okasaki Inoue, 23, Santa Cândida, Itaguaí – Rio de Janeiro.
Telefone: (21) 2687-8000 e (21) 97006-2651
Datas: 12 (sexta), 13 (sábado) e 14 de abril (domingo)
Horário: 14h às 1h
Valores 1° Lote:
Pista: R$ 100 (meia), R$ 200 (inteira)
Camarote open bar e open food: R$ 300 (meia), R$ 600 (inteira)
Passaporte pista para 3 dias: R$ 240
Passaporte camarote para 3 dias: R$ 660 (open bar e open food)
OBS.: Os valores podem sofrer alterações sem aviso prévio.
Faixa etária:
16 anos (só na pista). OBS. Menores de idade só com acompanhados pelo responsável legal.
18 anos (nos camarotes open bar e open food).
 
Todos os direitos reservados para © 2014 Em Neon
Desenvolvido por Code Art Design by Maurício Code