NOVIDADES

COMPORTAMENTO

sexo

Vídeos

Arquivo Em Neon

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Passei dos 30, e daí? Me desconectando do mundo

Em Neon: sexta-feira, 27 de junho de 2014


Engraçado falar em se desconectar quando precisamos estar conectados para ler esta crônica. Ou quando todo o mundo está ligadinho nos jogos da Copa e nós, claro, não só nos jogos, como também nos jogadores, porque não somos bobas nem nada.

CURTA O EM NEON NO FACEBOOK

Mas ontem tentei, pela primeira vez em anos, me deligar do mundo um pouco. Não, não viajei pra lugar algum, quem me dera, e que fosse bem acompanhada, mas quis tentar me desligar para pensar, por a cabeça no lugar, me imaginar sozinha no cosmos. Claro que comecei pelo celular. Como me desligar sem me libertar deste vício? Vocês devem estar me achando uma trintona doida, falando coisas sem nexo, mas é sério, como se desconectar do mundo sem largar o celular?

Sinto o celular como um prolongamento da nossa vida, pois ali temos fotos, contatos, e-mails, vídeos, milhões de aplicativos que nos conectam com o mundo. Mas viver sem ele tá bem difícil hoje em dia. Vivemos praticamente em função dele.

Se fosse só desligá-lo e ligar a TV, ler um bom livro, seria fácil pra mim, ou caminhar pelo condomínio arborizado respirando ar puro seria igualmente fácil, sentar na praia e me debruçar no horizonte seria tranquilo, mas e o raio do celular? Ou vocês acham que eu leio ou vejo TV sem ele, que eu caminho sem checar minhas mensagens e que observo o horizonte sem bater um papo pelo WhatsApp?

Preciso explicar o nível do meu vício para que vocês entendam como é uma missão quase impossível desligá-lo e me desconectar do mundo, espero que vocês não estejam neste nível, mas se estiverem estamos juntos amigos e amigas.

Sou daquelas que desliga o computador, deita na cama e entra na internet pelo celular ao invés de dormir. Daquelas que quando acorda, antes de colocar os óculos, já vai procurando o celular (que estava pra vibrar, mas nunca desligado) para ver se há mensagens. Sou daquelas que em qualquer sinal fechado ou engarrafamento está falando por mensagem de voz no WhatsApp.

Sou daquele tipo de viciada crônica, daquelas que vão ao banheiro tomar banho, deixam o celular na pia e se chega uma mensagem (cada uma tem um som especifico, assim sei se é WhatsApp, SMS, e-mail, inbox), fecham o chuveiro, e correm para ver quem está do outro lado, vai que é importante... vai que o mundo tá acabando e alguém está tentando me  avisar?

Confesso que já tive uns três momentos de afastamento forçado do celular. Duas vezes ele morreu, pois tinha esquecido o carregador em casa, e só sei que quase morri junto. Uma das vezes uma amiga tinha um carregador para me emprestar, mas na segunda vez tive que aguardar umas 3 horas sem ele vivo ao meu lado. Na terceira vez... Esta foi a mais cruel de todas. Tinha saído apressada para a escola e esqueci o celular carregando no banheiro. Me dei conta do esquecimento ao pegar uns trocadinhos para pagar o pedágio e vi que o celular simplesmente não estava na minha bolsa.

Esse afastamento foi doloroso, como sofri por quase 12 horas! Como viver tanto tempo sem meu celular? Comecei a ficar em pânico, uma sensação horrível, uma mistura de loucura, falta de ar, sensação de abandono que eu jamais senti até então. Tentei controlar a respiração, me acalmar e paguei o pedágio. Segui para a escola e o caminho me pareceu mais longo, e se o pneu furasse? Como ligaria para o seguro? Como ligaria para minha casa? Foram os 40 minutos mais longos da minha vida. Mas ao chegar ao colégio sempre há um amigo com um celular para nos emprestar ou um telefone fixo a nossa disposição.

Mas o meu experimento de ontem foi diferente, foi uma separação consentida, sem grandes sofrimentos para uma das partes, simplesmente deliguei meu celular por 12 horas. Tá bom Gika, você desligou e dormiu. NÃO, nada disso, dormi umas 6, 7 horas. Simplesmente fui deixando o celular descarregar, perder suas forças até morrer. Quando estava 15% de carga, desliguei, joguei no armário e fui ler, depois dormi (um pouco tensa, mas dormi), acordei pela primeira vez em anos sem olhar minhas mensagens, caminhei pelo condomínio sem a paranoia de checar meu Facebook e só após o almoço coloquei o celular pra recarregar e aí sim o religuei.

Sabem o que aconteceu? Nada, nada aconteceu. O mundo não acabou e nenhum príncipe encantado me mandou mensagem (e se tivesse mandado a demora em responder seria até um charme a mais na conquista).

Foi como se essas 12 horas não tivessem basicamente existido pra o celular, ninguém ligou ou passou SMS. Nada aconteceu. E o melhor de tudo, me dei conta que posso sobreviver sem ele, posso aproveitar a vida e o que há de belo nela sem ficar conectada, viciada e enlouquecida com e por ele.

Penso em ficar sem ele por 24 horas, será duro, mas prometo que tentarei. Só não entendo uma coisa, como vivi mais da metade da minha vida sem ele e era tão feliz? Como passei minha adolescência inteira usando orelhão e saía, paquerava e me divertia tanto? Mistérios que em tempos de tecnologia não conseguimos decifrar.

E você, vive sem seu celular? Já conseguiu se desconectar por completo?

Por: Gika Mendonça

Gika é professora, blogueira, trintona, doutoranda, roteirista, devoradora de chocolate amargo, livros da Martha Medeiros e filmes antigos. Graduada e Mestre em Letras pela UFRJ, divide seu tempo ministrando aulas de espanhol, estudando para pós e na manutenção do seu blog “O Mundo de uma trintona”. Trabalhou como assistente de Doc Comparato com quem fez seu primeiro curso de roteiro na AICTV. Estudou também com outras feras do roteiro Fausto Galvão, Ingrid Zavarezzi e Vitor de Oliveira.


 
Todos os direitos reservados para © 2014 Em Neon
Desenvolvido por Code Art Design by Maurício Code