NOVIDADES

COMPORTAMENTO

sexo

Vídeos

Arquivo Em Neon

quarta-feira, 28 de março de 2018

Periferia Trans começa neste sábado em São Paulo

Em Neon: quarta-feira, 28 de março de 2018

O que é o Festival Periferia Trans?
Periferia Trans é um grito. É uma siririca bem dada. Um festival LGBT realizado inteiramente no Grajaú, periferia da cidade de São Paulo. Em parceria com o Galpão Cultural Humbalada, a Periferia Trans realiza durante todo um mês uma programação de teatro, dança, música, performance, filmes e debates com o recorte LGBT.

Onde Acontece?
O Galpão Cultural Humbalada fica próximo da estação Grajaú do trem. Nele acontecerão as principais ações da Periferia Trans. Neste ano de 2018, os filmes do festival serão exibidos no Centro Cultural Grajaú, em uma parceria.

Quanto é?
Todas as ações tem entrada gratuita. O Festival é realizado com patrocínio do PROAC (Programa de Ação Cultural) do Governo Estadual de São Paulo e também conta com o apoio do Centro Cultural Grajaú e da Cia. Humbalada de Teatro.

Como chegar?
De ônibus a melhor maneira é chegar no Terminal Grajaú. De metrô a melhor maneira é chegar até a Estação Grajaú. De carro é possível vir pela Marginal Pinheiros ou pela Av. 23 de maio. As duas vias trazem até a Av. Interlagos e em seguida para a Avenida Senador Teotônio Vilela. Em seguida entrar para a Av. Dona Belmira Marim e logo no início já estará próximo do Terminal Grajaú. O Galpão Cultural Humbalada não tem estacionamento.

O Galpão Cultural Humbalada fica a 2 minutos a pé do Terminal Grajaú e da Estação Grajaú.

Bar Humbalada
Em todos os dias o Boteco Humbalada estará aberto com venda de bebidas alcoólicas e comidinhas bem baratinhas!

Proibido
Quase nada nesse Festival é proibido. Mas não admitiremos racismo, LGBTfobia, misoginia e xenofobia. Quem atuar dessa forma será exposto de forma pública no meio da ação.

Equipe
Bruno/Brunette, Tatiana Monte, Lucas Bernardo e Fabiana Pimenta
Com apoio de: Janaína Soares, Amanda Andrade, Rafael Cristiano, Piu Dominó e Alice dos Santos

Programação

CURTA O EM NEON NO FACEBOOK

Danna Lisboa + Rap Plus Size
A abertura do Festival Periferia Trans fica por conta de Danna Lisboa e o grupo Rap Plus Size. Danna traz em suas músicas a expressão da mulher trans periférica. Em suas letras a artista transforma temáticas complexas de problemas sociais, relacionamento e vivências pessoais em melodias e batidas vibrantes. Já o Grupo Rap Plus Size é composto por Issa Paes e Sara Donato que trazem um show completo usando o rap feminino para abordar o empoderamento contra a gordofobia e o machismo.
31/março - sábado | 19h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada

Foto: Divulgação




Batekoo + Linn da Quebrada
​Uma das festas mais importantes do cenário atual vem com tudo no Galpão Cultural Humbalada. A BATEKOO, festa feita por jovens negros para o público negro e periférico envolve o cenário de músicas black do Brasil e do mundo o que engloba rap, hip hop, funk carioca, R&B, trap, urban, kuduro, reggae e demais estilos musicais relacionados com a cultura negra. Além da festa teremos um pocket show da Linn da Quebrada com sua voz, seu discurso e suas batidas políticas. Neste dia o Boteco Humbalada estará funcionando.
01/abril - domingo | 16h às 22h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | Maiores de 18  anos

Foto: Divulgação

Pariah
O filme Pariah conta a história de Alike (Adepero Oduye), uma jovem tímida, estudante exemplar e aspirante a poeta que nunca foi beijada. Filha de uma mãe religiosa e um pai policial, ela já aceitou sua atração por mulheres, mas ainda não assumiu para sua família. Pariah retrata uma situação familiar que é realidade comum para muitos: algo que há muito tempo foi percebido, mas que nunca é realmente reconhecido. ​
03/abril - terça-feira | 19h30 | Entrada Gratuita | Centro Cultural Grajaú | 16 anos | 1h 26min

Foto: Divulgação

Quem é L do LGBT?
Debate com Luiza Coppieters, Fernanda Gomes e Carmem Soares

As convidadas da noite falarão sobre a (in)visibilidade lésbica dentro do movimento LGBT e na sociedade em geral. Além de narrarem suas experiências, temas como lesbofobia e racismo farão parte do debate.
04/abril - quarta-feira | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada

Este debate terá interpretação em Libras com Aline Rodrigues da Silva

Foto: Divulgação

Obinrin Trio
​A banda Obinrin Trio usa de composições autorais e ritmos tradicionais como o maracatu, o baião e a ciranda para dar voz à sentimentos sociais silenciados. Formada por Elis Menezes, Raíssa Lopes e Lana Lopes, a banda propõe reflexões sobre o machismo, o aborto, a lesbofobia e o racismo.
06/abril - sexta-feira | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada

Foto: Thamara Lage

A Princesa e a Costureira
A jovem princesa Cintia está prometida em casamento para o príncipe do reino vizinho, porém se apaixona pela costureira responsável por confeccionar seu vestido de noiva. Com Teatro da Conspiração. Crianças são mais que bem vindas
07/abril - sábado | 16h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | Teatro Infantil | A partir de 5 anos

Foto: Divulgação

Transviva
TransVIVA é um manifesto na qual a artista Vita Pereira utiliza seu corpo como ferramenta política para denunciar a violência, a transfobia e o racismo. Vita Pereira escreve em partes do seu corpo #transVIVA, na busca por uma resposta as pedradas, aos olhares e as injúrias recebidas todos os dias. A performance acontecerá no Terminal Grajaú.
08/abril - domingo | 17h | Entrada Gratuita | Terminal Grajaú

Foto: Diana Santos 


Estamos Todos Aqui
​Rosa nunca foi Lucas. Expulsa de casa, ela precisa morar. Enquanto busca um lugar no mangue para construir seu barraco, o projeto de expansão da zona portuária avança em direção aos moradores da Favela da Prainha. Ficção e documentário se encontram em depoimentos e cenas interpretadas pelas próprias moradoras que, há duas décadas, estão sob iminência de despejo.
APÓS A EXIBIÇÃO HAVERÁ UMA RODA DE CONVERSA COM OS DIRETORES
10/abril - terça-feira | 19h30 | Entrada Gratuita | Centro Cultural Grajaú | 12 anos | 20min

Foto: Divulgação

Transfeminismo
O Transfeminismo é feminismo? Por que existe o feminismo e o Transfeminismo? O feminismo é um grande guarda chuva, dentro dele  existem muitas pautas, pois mulheres são diferente em suas existências, assim como também existem muitas correntes, pensadoras, possibilidades. O encontro tem como foco discutir sobre o feminismo do ponto de vista da mulher Trans.
Debate com erika hilton, Dodi Leal e Márcia Marci
Este debate terá interpretação em Libras com Aline Rodrigues da Silva
11/abril - quarta-feira | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada

Foto: Divulgação


O Evangelho Segundo Jesus, Rainha do Céu
E se Jesus vivesse nos tempos de hoje e fosse travesti? O espetáculo é uma mistura de monólogo e contação de histórias em um ritual que traz Jesus ao tempo presente, na pele de uma travesti. Histórias bíblicas conhecidas são recontadas em uma perspectiva contemporânea, propondo uma reflexão sobre a opressão e intolerância sofridas por transgêneros e minorias em geral.
13/abril - sexta-feira | 21h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | 14 anos | 60 min

Foto: Divulgação

As Bahias e a Cozinha Mineira
​Nas vozes de Raquel Virgínia e Assucena Assucena, duas vozes fortes, intensas e trans, As Bahias e a Cozinha Mineira chega mais uma vez na Periferia Trans, agora com um disco novo, BIXA, cheio de textura, timbres e metáforas.
14/abril - sábado | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | 16 anos

Foto: Divulgação



Sangue
O solo de dança de Flip Couto discute a construção de um corpo negro, homoafetivo e positivo. O trabalho de dança/ performance cria um ambiente relacional de trocas tendo como ponto de partida os Bailes Black dos anos 70, festas de bairros, reuniões de famílias e as diversas relações afetivas presentes no dinâmico cotidiano das cidades.
15/abril - domingo | 17h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | 30 min | Livre

Foto: Rafi Sousa

Tangerine
​Após descobrir que foi traída por seu namorado e cafetão enquanto estava na prisão, uma prostituta e sua melhor amiga saem em busca do traidor e sua nova amante para se vingar. O filme inteiramente gravado com um smartphone tem como personagens principais travestis.
17/abril - terça-feira | 19h30 | Entrada Gratuita | Centro Cultural Grajaú | 16 anos | 1h 28min

Foto: Divulgação


Eu não sou um ponto de referência!
O que é ser gorda em uma sociedade que vende a padronização dos corpos? Quais violências estão ligadas ao corpos gordos? Quais narrativas esses corpos produzem? Que potência existe nesse corpo? Quais criações estéticas? Um corpo gordo LGBT muda alguma coisa?
Precisamos falar sobre corpo, sobretudo sobre o corpo gordo que é silenciado socialmente, a gordofobia é tão naturalizada que pouco se fala sobre essa violência. O encontro tem como foco a discussão a partir do recorte LGBT.
Debate com Eric Oliveira, Magô Tonhon e Fabiana Pimenta
18/abril - quarta-feira | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada
Este debate terá interpretação em Libras com Aline Rodrigues da Silva

Foto: Divulgação

Deuterostômios
​Com características embrionárias peculiares, deuterostômios são um grupo de animais - incluindo os seres humanos - em que o ânus é formado antes da boca. Livremente inspirada no Manifesto Contrassexual do filósofo transexual Paul. B. Preciado, a peça de teatro questiona a ideia de prazer limitado apenas aos órgãos chamados sexuais e reflete, ainda, sobre os padrões instituídos pela cisheteronormatividade.
20/abril - sexta-feira | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | 18 anos | 50 min

Foto: Salim Mhanna


MC Dellacroix
Permeando sonoridades pretas, MC Dellacroix viaja do trap ao funk, passa pelo hip hop/rap, rock e r&b, se apropriando do existente para resignação do presente. Gritando verdades não ditas, denunciando casos silenciados, expondo sua realidade marginal, legitimando todas elas em performance imprimida em palco e repensada a cada show em linguagem direta, em diálogo (des)concreto.
21/abril - sábado | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | 16 anos

Foto: Deu Zebra

Em pele de cordeiro
"Em pele de cordeiro" é uma performance sobre transmasculinidade, branquitude, passabilidade; é um trabalho de marcação de privilégios e opressões interseccionalizadas, uma reflexão corporal sobre feridas que os processos da socialização "civilizada" produzem, no trânsito entre espaços públicos e o privados. Com Caio Jade.
22/abril - domingo | 17h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | Livre

Foto: Lucas Ávila

120 batimentos por minuto + Kako Arancibia​
O filme "120 batimentos por minuto" fala sobre a França dos anos 1990, o grupo ativista Act Up intensifica seus esforços para que a sociedade reconheça a importância da prevenção e do tratamento da aids.

Além do filme teremos uma conversa com o artista performer Kako Arancibia que realiza trabalhos com o tema do HIV a partir de suas experiências pessoais.
24/abril - terça-feira | 19h30 | Entrada Gratuita | Centro Cultural Grajaú | 16 anos | 2h 20min

Foto: Divulgação

Gêneros Não Binários, Que Diacho É Isso?
​A ideia do debate é juntar cabeças e corpos periféricos para discutir os significados e possibilidades das transgeneridades não-binárias – Oi?! – Por que transgeneridade? O que é o binário e por que não? O que significa ser um “não” alguma coisa? E dá pra ser assim? Não-binário é tudo igual? Isso chega na favela?
Com Jup do Bairro, Rodrigo Santos e Rodrigo da Silva Albuquerque
Este debate terá interpretação em Libras com Aline Rodrigues da Silva
25/abril - quarta-feira | 20h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada

Foto: Divulgação

Encerramento
Palco na Rua
29/abril - domingo | das 15h às 22h | Entrada Gratuita | Galpão Cultural Humbalada | Livre
 
Todos os direitos reservados para © 2014 Em Neon
Desenvolvido por Code Art Design by Maurício Code