NOVIDADES

COMPORTAMENTO

sexo

Vídeos

Arquivo Em Neon

quarta-feira, 16 de março de 2016

Robin Hammond fotografa 65 LGBTs sobreviventes de discriminação

Em Neon: quarta-feira, 16 de março de 2016

É inegável dizer que hoje em dia a aceitação dos LGBTs é melhor que há décadas atrás, porém ainda está longe de ser um verdadeiro mar de rosas. Isso falando em países onde a tolerância é grande, porém não podemos esquecer que ainda há lugares em que ser LGBT é crime, por vezes punido com a morte.


O fotógrafo Robin Hammond, da Nova Zelândia, fez uma série inicial de fotos, com cinco pessoas que haviam sido presas por serem gays, enquanto ele trabalhava em Lagos, Nigéria. Robin então decidiu expandir seu trabalho a sete países, fotografando pessoas LGBT de 15 nacionalidades diferentes.

Hammond diz querer melhorar a vida das pessoas em vez de simplesmente relatar seu sofrimento e lançou uma organização não-governamental chamada Witness Change, que visa alavancar campanhas de mídia social e colocar em exposições fotográficas itinerantes para ajudar a levantar fundos para organizações de base, que estão lidando com as questões dos direitos humanos, incluindo os direitos LGBT.


Ele descreveu o processo que desenvolveu para fazer suas fotos e pediu para as pessoas escreverem suas histórias pessoais:
"Eu uso a fotografia para falar sobre as questões que são importantes para mim, mas a fotografia pode se conectar, mas raramente ela explica, então, eu queria que os sobreviventes de discriminação falassem por si mesmos sobre o que passam. Pedi para cada um dos 65 fotografados, que escrevessem suas histórias de discriminação e sobrevivência. Eles escolheram o que dizer e como dizer. Isto resultou em testemunhos extremamente poderosos, alguns com cerca de cinco páginas, outros, uma única frase.

Para muitos, foi a primeira vez que contaram sua história. O ponto é ter suas vozes ouvidas. Muitos viveram vidas de silêncio.


Depois que eles escreveram seus testemunhos eu queria fazer mais perguntas... Mas fomos tirar uma fotografia. As fotografias são todos retratos posados. A forma como a fotografia é colocada é uma colaboração entre mim e o assunto. Perguntei a cada um como poderíamos ilustrar a sua história. Os resultados foram, por vezes, interessantes. Alguns me disseram para voltar outro dia. Outros disseram. ‘Amarra-me e mostra-me’. Kasha, a ativista lésbica da Uganda, queria ser mostrada como uma líder forte. Perguntei se ela tinha um símbolo de força - levantou seu punho. Joseph, um transexual de Uganda, falou sobre sua mãe e quão grato ele é por ela aceitá-lo por quem ele é, então eu fotografei-os juntos.

É claro que alguns realmente não sabiam como ficar de pé ou representar. Gostaria de oferecer-lhes ideias sobre o que eu pensei que poderia parecer interessante. Alguns gostaram dessas ideias, algumas foram rejeitadas.


Muitas das fotografias foram inesperadas. Muitos não se colocam como eu teria visualizado antes de conhecer os assuntos. As poses foram informadas por suas histórias e muito pela forma como eles queriam ser fotografados. O ponto é que era realmente importante que os indivíduos tivessem o máximo de controle possível. É a sua história e sua imagem.

Eu fotografei estes retratos em grande formato usando filme tipo Polaroid. A razão é estética, mas também para que eu pudesse mostrar o assunto da fotografia. Eu sempre lhes dou o direito de veto sobre a imagem. Alguns sujeitos ficaram, obviamente, preocupados com a sua segurança, por isso era importante que se sentissem seguros se tivessem solicitado para manter sua identidade oculta.


Eu fiz, em média, um retrato por dia. Um monte de tempo foi gasto com cada sujeito, para conhecê-los, discutir suas vidas e falar sobre o projeto.

As fotografias e testemunhos personalizam e tornam real um problema muitas vezes falado em formas abstratas, nas discussões sobre leis e sanções políticas.


Algumas pessoas podem achar algumas das imagens desconfortáveis. Sei que muitas pessoas ficarão tristes com os testemunhos. Esta é a realidade de vida para muitas pessoas LGBTQI em nosso mundo."

Você pode conferir, curtir e seguir as fotografias de Robin Hammond no Instagram "where love is illegal".

CURTA O EM NEON NO FACEBOOK

Fonte: Time

Fotos: Robin Hammond

 
Todos os direitos reservados para © 2014 Em Neon
Desenvolvido por Code Art Design by Maurício Code